Governo sírio nega uso de armas pesadas em ataque a Tremseh

Governo sírio nega uso de armas pesadas em ataque a Tremseh
15/07/2012 12:00 - agência brasil


Um porta-voz do governo da Síria rebateu hoje (15) acusações de que helicópteros e artilharia pesada tenham sido usados no ataque ao povoado de Tremseh, onde ativistas da oposição afirmam ter ocorrido um massacre. O porta-voz Jihad Makdissi disse que as armas mais pesadas empregadas na operação foram lançadores de granada. De acordo com ele, a ação foi uma resposta militar a grupos armados na região.

Ele também classificou de "precipitada" e "não baseada em fatos" a carta do enviado especial das Nações Unidas e da Liga Árabe à Síria, Kofi Annan, na qual alega que helicópteros e artilharia foram usados. No entanto, observadores da ONU que estiveram em Tremseh confirmaram o uso de artilharia pelas tropas sírias. A organização internacional disse ainda que o principal alvo dos ataques foi os ativistas de oposição e desertores do Exército.

"Uma gama diversa de armas foi utilizada, incluindo artilharia, morteiros e armamentos de pequeno porte. O ataque a Tremseh parece ter tido como alvo casas e grupos específicos, principalmente de militares desertores e ativistas", disse Sausan Ghosheh, porta-voz da missão da ONU no país. Ela relembrou que o uso de armamento de guerra é uma clara violação dos termos do acordo assinado entre o regime do presidente Bashar Al Assad e as lideranças da oposição.

A oposição alega que mais de 200 civis foram assassinados na última quinta-feira (12), mas não apresentou provas conclusivas disso até o momento. "Havia poças de sangue e sangue nas paredes de várias casas, assim como cartuchos de munição", disse a porta-voz da ONU, acrescentando que uma escola foi queimada durante a ofensiva.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".