Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 13h05min

Vetorial Siderurgia

Governo reserva áreas para ZPE de Corumbá

30 JUN 10 - 07h:43
Carlos Henrique Braga, da redação
Silvio Andrade, de Corumbá

O Governo confirmou ontem a compra de terreno de 125 hectares da Vetorial Siderurgia para compor área que abrigará a Zona de Processamento de Exportação (ZPE), emperrada desde os anos 90 por entraves políticos. Outro terreno, de mesmo tamanho, foi desapropriado por decreto, no último dia 28. O local pertencia ao empesário Alfredo Zamlutti Júnior, que pediu R$ 2,5 milhões pelo dobro da área, mas ainda não convenceu o governador André Puccinelli (PMDB). A área resultante, de 250 hectares, ao lado da BR 262, constará do projeto que a cidade apresentará ao governo federal para conseguir permissão para criar a zona.
A data-limite de apresentação do projeto ao conselho do Ministério do Desenvolvimento e Comércio Exterior é 1° de julho. Caberá ao presidente Lula aprovar a criação da zona, por decreto. Segundo assessoria de imprensa do governo, a papelada está pronta. No último dia 28, decreto publicado no Diário Oficial informou a desapropriação da área de Zamlutti Júnior. “Fui pego de surpresa e soube pela imprensa que a área havia sido desapropriada. Não sabia nem que eram só 125 hectares, e não 250, como estamos negociando”, contou o empresário, por telefone, mostrando-se aberto à negociação. Pelos 250 hectares necessários à instalação da ZPE, Zamlutti pediu R$ 2,5 milhões, ou seja, R$ 10 mil por hectare, mas o governador André Puccinelli estava disposto a pagar até R$ 9 mil, e não fechou acordo. Segundo o empresário, o hectare vale até R$ 12 mil. “Ainda estou esperando o convite dele para uma conversa em Campo Grande”, cobrou.
Os outros 125 hectares, da Vetorial Siderurgia, também estão em negociação. O terreno foi comprado da MMX, em 2006. A empresa disse, por meio de assessoria, que a propôs a venda do terreno por entender dos benefícios que a ZPE trará a Mato Grosso do Sul. A siderúrgica afirmou não beneficiar-se diretamento da zona, uma vez que não exporta sua produção, toda voltada ao mercado interno. Por questões de custo e logística, a operação com foco no mercado externo será concentrada em braço da empresa na Argentina.

Emperrada
A ZPE de Corumbá, criada em 1993, não se viabilizou por desinteresses políticos e entraves gerados na formação de sua administradora, que passou a ser controlada em 70% por um grupo privado ligado ao ex-deputado federal Elísio Curvo. Com a transferência da área delimitada em seu decreto de criação para a MMX, deixou de existir e sua caducidade se dará no próximo dia 1º de julho.
O senador Delcídio do Amaral (PT/MS) garantiu que a aquisição dos 125 hectares já avança as negociações com a União para reeditar o decreto que criou a ZPE, o que deve ocorrer em julho. Para o governador André Puccinelli, a decisão da prefeitura de Corumbá de não participar do projeto não o inviabiliza. “Se o prefeito (Ruiter Cunha) não atrapalhar já está ajudando e muito”, disse.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Crianças são encontradas mortas em desabamentos após temporal
INTERIOR SP

Crianças são encontradas mortas em desabamentos após temporal

PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS

Após três quedas seguidas, gasolina volta a subir em Campo Grande

Etanol apresentou redução e diesel ficou estável, segundo ANP
Candidatos chegam mais cedo por preocupação com mudança no horário
CONCURSO PÚBLICO

Candidatos chegam mais cedo por preocupação com horário

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul
ECONOMIA REGIONAL

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas