Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

dividendos

Governo reforça caixa com R$ 2 bi do BNDES

7 MAR 14 - 00h:00folhapress

Depois da frustração com o resultado das contas públicas em janeiro, o governo federal decidiu reforçar seu caixa com dividendos do BNDES, o banco estatal de desenvolvimento.

O Tesouro Nacional autorizou ontem o resgate de R$ 2 bilhões em títulos públicos que estavam com a instituição financeira.

A medida é retroativa a fevereiro. Por isso, o dinheiro vai aparecer como receita e engordar o superavit primário do segundo mês do ano, cujo resultado será divulgado no fim de março.

O BNDES foi a instituição que mais pagou dividendos ao Tesouro no ano passado, com o repasse de quase R$ 7 bilhões, mais de 40% do total recebido das estatais.

A previsão do governo federal é de uma receita de R$ 24 bilhões em dividendos em 2014, aumento de 40% em relação a 2013, considerando todas as empresas federais.

Essa fonte de recursos garante, sozinha, cerca de um quarto da meta de superávit do setor público do ano.

Os R$ 2 bilhões se referem ao repasse de parte do lucro do BNDES no ano passado. Na primeira versão da portaria que autorizou a operação, publicada ontem, foi informado que se tratava de uma antecipação de dividendos.

O Tesouro, no entanto, retificou a informação e disse que se trata de um pagamento normal de dividendo, referente a um lucro já divulgado, e não da distribuição de dinheiro de lucros futuros.

A antecipação de dividendos foi um artifício contábil utilizado pelo governo em 2012 para engordar o superávit primário daquele ano.

Repercussão Negativa
A piora nas contas públicas no governo Dilma Rousseff tem sido apontada pelo mercado como uma das principais fragilidades da economia brasileira. Um superávit maior ajuda a reduzir a dívida pública e contribui para o controle da inflação.

Por isso, entregar um superávit primário de R$ 99 bilhões em 2014 é uma das principais metas do governo federal para este ano, conforme anunciou o Ministério da Fazenda há duas semanas.

Em janeiro, no entanto, o resultado ficou abaixo das previsões, com uma queda de 34% em relação ao mesmo mês de 2013, o que levou o governo a agir para melhorar o resultado do mês seguinte.

A questão fiscal também é um fator importante para a avaliação da nota de crédito do Brasil dada pelas agências de classificação de risco, e a melhora nas contas públicas pode evitar um rebaixamento dessa nota. 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Everton lamenta derrota para Fortaleza, mas pede foco para decisão contra o Flamengo
FUTEBOL

Everton lamenta derrota para Fortaleza, mas pede foco para decisão contra o Flamengo

No Japão, Bolsonaro terá encontro bilateral com presidente da Ucrânia
VIAGEM

No Japão, Bolsonaro terá encontro bilateral com presidente da Ucrânia

Número de mortos em desabamento de prédio em Fortaleza sobe para 9
TRAGÉDIA

Número de mortos em desabamento de prédio em Fortaleza sobe para 9

Na primavera índice de temporais e raios são maiores; saiba como se proteger
ESTAÇÃO DO ANO

Na primavera índice de temporais e raios são maiores; saiba como se proteger

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião