Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ESTADOS

Governo quer acabar com guerra fiscal

19 MAR 11 - 00h:01INFOMONEY

O conselho de ministros da Camex (Câmara de Comércio Exterior) decidiu na última quinta-feira (17) encaminhar para o Ministério da Fazenda uma proposta para acabar com a guerra fiscal entre os estados. O ministério é responsável por estudar a proposta, que foi pensada pelo Conex (Conselho Consultivo do Setor Privado da Camex).

A decisão foi anunciada pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. Segundo ele, trata-se de uma prioridade da nova gestão federal. “A idéia é que o Governo Federal consiga agir para impedir esta distorção que prejudica a competitividade da indústria brasileira”, disse.

A preocupação do governo é com relação aos benefícios concedidos por estados brasileiros que reduzem ou anulam a cobrança do ICMS (Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços), incidente sobre importações.

Estes benefícios, segundo o ministro, geram vantagens pontuais para as unidades federativas, mas repercutem de forma negativa na economia do País, já que aumentam a aquisição de bens estrangeiros em detrimento de produtos brasileiros. Outra crítica é com relação aos empregos no setor industrial que deixam de ser gerados, e a redução da arrecadação para os cofres públicos.

Créditos tributários
A Camex também encaminhou para estudo do Ministério da Fazenda outra medida proposta pelo Conex. Trata-se do aproveitamento de crédito tributário nas exportações para o pagamento de tributos.

O Conex propõe que seja autorizada a concessão de créditos tributários decorrentes das exportações em débitos das contribuições previdenciárias. Segundo o conselho, essa compensação evitaria o acúmulo de créditos tributários, problema enfrentado pelas empresas exportadoras, além de evitar desembolsos pelo Tesouro Nacional.

Na reunião, a Camex referendou duas linhas de crédito para compra de máquinas e equipamentos agrícolas por países da África, sendo uma para Gana, de US$ 95 milhões, e outra para o Zimbábue, de US$ 98 milhões.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Mercosul concluiu acordo comercial com países do Efta, diz Bolsonaro

ECONOMIA

Caixa avalia mudança para taxa prefixada no financiamento imobiliário

BRASIL

Lula se cala na Pentiti, 64ª fase da Lava Jato

BRASIL

Maia: País vive 'quase um estado autoritário', inclusive na área do meio ambiente

Mais Lidas