Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Governo nega acordo sobre MP do Código Florestal

Governo nega acordo sobre MP do Código Florestal
31/08/2012 11:19 - TERRA


Após a crítica da presidente Dilma Rousseff ao acordo fechado entre governistas e ruralistas na comissão especial do Congresso que discute a medida provisória (MP) do novo Código Florestal, a Secretaria de Relações Institucionais (SRI) informa que a negociação não teve o aval nem concordância do governo. O governo vai tentar reverter as mudanças na MP durante votação nos plenários da Câmara e do Senado.

Em nota, a SRI, que responde pela articulação entre o Executivo e o Congresso, informa que "a aprovação da MP 571, ocorrida na quarta, na Comissão Especial Mista do Congresso Nacional, não teve aval ou concordância do governo federal. Durante toda a tramitação da matéria na comissão, o governo, por meio da SRI, do Ministério do Meio Ambiente, do Ministério da Agricultura e do Ministério do Desenvolvimento Agrário, sempre deixou claro que o ideal era manter a proposta original da MP 571."

A insatisfação de Dilma foi manifestada durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. A presidente teria enviado um bilhete à ministra Ideli Salvatti, da SRI, e à Izabela Teixeira, do Ministério do Meio Ambiente, flagrado por repórteres fotográficos com os seguintes dizeres: "Porque (sic) os jornais estão dizendo que houve um acordo ontem no Congresso sobre o Código Florestal e eu não sei de nada?"

Diante da posição do governo, o deputado ruralista Ronaldo Caiado considera que a atitude de Ideli "eliminou qualquer chance de acordo no plenário". Já o presidente da Frente Parlamentar Agropecuária, deputado Homero Pereira, lembra que a sessão que votou o código foi transmitida pela televisão. "Você acha que o governo não acompanhou?". Pereira lembra que o líder do governo no Congresso estava na mesa quando foi feito o acordo. "Isso não tem cabimento", completa.

Felpuda


Pré-candidato pode estar sendo “fritado” sem ao menos perceber. Redes sociais que têm estreitas ligações com ex-cabecinhas coroadas e que prometeram apoio estão enaltecendo que só certo pré-candidato de outro partido. Quem conhece as ditas figurinhas de, digamos, outros carnavais, acredita que está em curso operação sorrateira para mudar internamente os rumos da futura campanha. Trocando em miúdo: ceder a cabeça de chapa.