Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Governo investiu R$ 51 milhões na agricultura familiar

24 AGO 10 - 09h:24
Carlos Henrique Braga

O Governo do Estado investiu R$ 51 milhões para reestruturar o órgão de assistência técnica a agricultores familiares, extinto pela administração anterior. A instituição, então chamada de Empresa de Pesquisa, Asssistência Técnica e Extensão Rural (Empaer), foi batizada como Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), em janeiro de 2007. Outros R$ 6,7 milhões, do governo federal, serão investidos na criação de centros de pesquisas na Capital e interior.
Para voltar a funcionar, foram contratados 72 servidores e comprados 109 veículos, 264 computadores e outros equipamentos, repassados às agências da Capital e do interior, ao custo de R$ 4,5 milhões. O dinheiro foi obtido por meio de parceria com o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA). Hoje, ela atende a 70 mil famílias de assentamentos rurais, indígenas e de outros locais.
Com  melhor estrutura, a agência pôde chegar a outras cidades do Estado, como Rochedo e Caracol, e hoje está em mais 68 municípios. Nesses locais, produtores comemoraram a chegada de resfriadores de leite, patrulhas mecanizadas, motoniveladoras e outros equipamentos que facilitam o trabalho no campo e turbinam os lucros.
O departamento de pesquisa também ganhou novo fôlego. O primeiro passo foi fazer um raio-x do setor. Levantar o dinheiro necessário para investir em pesquisa foi o próximo. Nessa etapa, entra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Embrapa, do governo federal, que aportou R$ 6,7 milhões na agência para compra de carros, tratores, implementos agrícolas e equipamentos de laboratório.
Desse modo, será possível criar centros de pesquisa em Campo Grande, Ponta Porã, Bandeirantes, Dourados, Ivinhema, Sonora e Anastácio. Os trabalhos serão executados em parceria com Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Secretaria de Meio Ambiente (Semact) e Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino (Fundect).
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Projeto de privatização da Eletrobras chega ao Congresso em novembro

ECONOMIA

Índice de Confiança do Empresário Industrial fica estável pelo 3º mês

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês

BRASIL

Governo libera orçamento de universidades federais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião