Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

R$ 10 milhões

Governo investe em campanha para entrega de armas

6 MAI 2011Por r713h:20

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, lançou  na manhã desta sexta-feira (6) campanha nacional do desarmamento, no Rio de Janeiro, que prevê gastar até R$ 10 milhões pela entrega das armas. A indenização varia de R$ 100 a R$ 300. Com o orçamento do ministério seria possível pagar por 100 mil armas, considerando o valor mais baixo.

- Acho que é a primeira vez que um ministro diz isso, mas eu gostaria que faltasse dinheiro para a campanha. Isso porque, se faltasse, seria um sinal de que o número de armas a ser entregue superou as expectativas. Se isso acontecer, vamos dar um jeito, realocar recursos.

Na campanha que ocorreu entre 2004 e 2005, foram arrecadadas cerca de 500 mil armas. Cardozo reiterou o compromisso com a redução da violência, que, segundo ele, registrou redução de 18% naquele momento.

- Não estipulamos metas, mas queremos tirar das ruas o maior número de armas possível, armas que tiram vidas. Quando se diminui o número de armas em circulação, a violência diminui. Essa campanha tem também um componente pedagógico, que é debater a cultura da violência. Até em jogos de video game, a criança apreende que ganha quem mata mais. Isso tem que acabar. É uma questão polêmica? É sim, mas eu gosto de polêmicas, porque elas geram o debate. 

O coordenador da campanha, Antônio Rangel, da ONG Viva Rio, disse que não vai faltar dinheiro, porque a campanha pode ser prorrogada.

- Em 2004, a campanha durou um ano e oito meses. Ela foi prorrogada porque as pessoas aderiram. Se isso acontecer desta vez, podemos prorrogar também. Vai depender da quantidade de armas arrecadadas.

De acordo com Rangel, apenas uma central de abastecimento de alimentos do Rio vai entregar 77 armas, entre elas carabinas e escopetas calibre 12, que pertenciam à equipe de segurança privada do local, já desativada.

Leia Também