Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 23 de fevereiro de 2019 - 18h07min

Governo do Estado é acusado de calote fiscal

28 AGO 10 - 04h:53
Sílvio Andrade, Corumbá
Carlos Henrique Braga, da redação

A prefeitura de Corumbá acusa o Governo do Estado de calote fiscal, ao deixar de repassar ao município cerca de R$ 70 milhões do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) entre 2008 a agosto deste ano. Os valores de 2008 e 2009, corrigidos, somam R$ 60,39 milhões, segundo dados apresentados ontem pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT). Para o secretário de Fazenda, Mário Sérgio Lorenzetto, a acusação tem fundo político. “Isso não é com o Estado, é com os municípios”, disse Lorenzetto, por telefone.
Corumbá ajuizou ação cobrando o pagamento do imposto retido, cuja diferença foi identificada pela área financeira da prefeitura ao comparar o valor declarado pelas empresas instaladas em Corumbá nas GIA’s (Guias de Informação e Apuração do ICMS) e as transferências feitas pelo Estado. As GIA’s é um dos componentes do índice que determina o valor a ser repassado.
A diferença reclamada – ou valor adicionado –, segundo o prefeito, seria de R$ 1,817 bilhão (referente a 2006 e base para 2008), subestimada pelo Estado ao fixar o índice de Corumbá abaixo do percentual real. O secretário de finanças Daniel Martins Costa explicou que o índice para 2008 foi de 7,992, quando deveria ser 10,2609. Em 2009, foi 7,9311, e o correto seria 10,2609.
“O Estado apresentou números muito abaixo dos verdadeiros, conforme constaram nossos técnicos da área tributária”, disse o secretário. “O índice referente a 2010, que deveria ter sido divulgado até 30 de junho, ainda não foi revelado”, cobrou. O município apresenta recursos administrativos desde 2006 contestando os índices e pedindo revisão e alega não obter respostas.
O prefeito da cidade considera a posição do governo estadual “uma lesão” aos cofres municipais. “Esse dinheiro (R$ 70 milhões) faz muita falta, o ICMS representa 60% da nossa receita e dois dos maiores contribuintes do Estado (Petrobras Gás e TBG Bolívia-Brasil) estão instalados no município”, observa Ruiter Cunha. Ele cobra pressa do Judiciário no julgamento da ação.
Segundo o secretário de Fazenda, Mário Sérgio Lorenzetto, a disputa é motivada pelo período eleitoral. “Eles (Corumbá) perderam na Justiça a ação que movem contra os municípios, não contra o Governo do Estado. Eles dizem que fizeram um estudo sobre a parte do ICMS que cabe a eles, mas não estão discutindo o bolo (divisão)”, disse o secretário de Fazenda.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Governo informa que dois caminhões com ajuda entraram na Venezuela

BRASIL

Bolsonaro resgata medidas rígidas que foram propostas pelo PT

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação
ESTADUAL 2019

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação

VENEZUELA

'Dia D' de missão humanitária na Venezuela tem confrontos com militares

Mais Lidas