Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

EGITO

Governo diz que autor de ataque a polícia é da Irmandade Muçulmana

Governo diz que autor de ataque a polícia é da Irmandade Muçulmana
02/01/2014 23:00 - FOLHA PRESS


O Ministério do Interior do Egito disse hoje ter uma confissão gravada e análises de DNA que apontam o filho de um deputado da Irmandade Muçulmana como o terrorista suicida responsável pelo ataque à sede da polícia de Mansura, que deixou 16 mortos na véspera de Natal.

Em entrevista coletiva, o titular da pasta, Mohammed Ibrahim, afirmou que Mongi Yahia Saad Hussein, filho de um deputado e dirigente da entidade, se associou a Ansar Beit al-Maqdis, grupo que reivindicou a ação. Além dele, outras sete pessoas com vínculos com a Irmandade Muçulmana foram detidas.

Ele também apresentou vídeos com confissões dos supostos envolvidos no atentado, nos quais detalham como recebiam treinamento na Península do Sinai. Para ele, os indícios "revelam a participação da organização terrorista nos ataques", em referência à Irmandade.

Apesar da apresentação de provas, grupos de direitos humanos afirmam que a polícia usa tortura e outros meios de coerção para produzir confissões ou recolher provas, o que coloca sob suspeita as acusações contra a entidade.

Após o atentado, o governo interino declarou a Irmandade Muçulmana um grupo terrorista. Os islamitas são reprimidos pelas forças de segurança e os militares, que retiraram o presidente Mohammed Mursi do poder em julho de 2013.

Mursi será julgado a partir de 28 de janeiro por uma fuga carcerária em massa ocorrida em 2011, em meio à revolta que derrubou o ditador Hosni Mubarak. Esse é um dos três processos movidos contra o político islâmico desde sua destituição.

Desde que isso ocorreu, as forças de segurança realizam uma intensa campanha de repressão contra a Irmandade Muçulmana, grupo político de Mursi. Milhares de ativistas já foram detidos por acusações de incitar à violência.
 

Felpuda


As várias e várias mensagens que vêm sendo trocadas em grupos fechados, e para poucos, são de que algumas alianças poderão acontecer, mas mediante a troca de comando em alguns órgãos importantes. Seriam entendimentos para atender siglas de matizes bem diversos que vêm tentando criar dificuldades para vender facilidades. Se as negociações forem concretizadas, tornarão os caminhos sem muitas barreiras. A conferir.