Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 11 de dezembro de 2018

CORUMBÁ

Governo decreta situação de emergência

13 MAI 2011Por Diário Online09h:40

O Governo Estadual decretou situação de emergência em Corumbá por conta do "desastre" relacionado à colisão do empurrador Doña Carmen no pilar central da ponte rodoviária sobre o rio Paraguai, na região do Porto Morrinho, ocorrido no último domingo, 08 de maio.

Publicado na edição desta sexta-feira, dia 13, o decreto "E" Nº 9, datado de 12 de maio, esclarece que o choque contra o bloco de apoio do pilar provocou deslocamentos da superestrutura da ponte, de 11 centímetros na junta de expansão da margem direita e de 3 cm na junta da margem esquerda.

A decisão levou em consideração o fato de a BR-262 ser o "único acesso rodoviário ao Município de Corumbá" e de a hidrovia do rio Paraguai ser a "mais importante rota de transporte fluvial" do minério produzido em Corumbá. Analisa ainda que em por conta da colisão, o tráfego de veículos pela ponte passou a ser parcial "limitando a velocidade dos veículos a 40 km/h, e para os veículos com mais de 3 eixos a uma distância mínima entre eles de 100 metros, e proibindo o tráfego de caminhões carregados com minério de ferro".

Segundo a exposição de motivos para a decretação de Situação de Emergência, a inspeção feita pelo engenheiro projetista da ponte argumenta que se houver novo impacto no local sobre os apoios do vão de navegação "poderá causar o colapso do trecho central da ponte, redundando em interrupção da travessia rodoviária por um período não inferior a 8 meses".

Essa segunda colisão, argumenta o decreto, provocaria "danos humanos e materiais e prejuízos econômicos, pois afeta a economia de Corumbá e do Estado, principalmente se houver a interdição total da ponte, inviabilizando o acesso rodoviário, bem como o abastecimento regular ao Município".

Visando a "necessidade do restabelecimento da normalidade, da paz social e da ordem pública", o decreto assinado pelo governado André Puccinelli, tem validade de noventa dias a partir de sua publicação.

A decretação de emergência está "de acordo com os critérios estabelecidos pelo Conselho Nacional de Defesa Civil" e passam a produzir os efeitos jurídicos que lhes são próprios, no âmbito da jurisdição estadual.

O choque

O empurrador Doña Carmen, de bandeira paraguaia, transportando 16 barcaças de farelo de soja bateu contra o pilar central da ponte sobre o rio Paraguai, no final da manhã de domingo, 08 de maio. A colisão causou a interdição do tráfego de veículos, por questões de segurança, por quase seis horas. Caminhões e ônibus só foram autorizados a passar, quase 30 horas depois do acidente.

A embarcação teria enfrentado problemas no leme que impediram de evitar a colisão. Testemunhas disseram que as outras barcaças se soltaram com o choque e seguiram à deriva pelo rio Paraguai. O empurrador descia o rio com um comboio que seguia de Corumbá e o destino provável seria Assunção, capital do Paraguai. A Capitania Fluvial do Pantanal já instaurou inquérito para apurar as causas do acidente. O prazo de conclusão é de 90 dias.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também