Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

MOEDA DESVALORIZADA

Governo chinês vai manter guerra cambial para ter preços estáveis

13 DEZ 2010Por Pequim00h:00

O governo chinês disse, ontem, após conferência econômica, que dará maior prioridade para manter os preços estáveis. Em comunicado divulgado por meio da agência oficial de notícias Xinhua, a China reiterou que vai implementar política fiscal “ativa” e política monetária “prudente” no próximo ano. A política fiscal será utilizada para manter crescimento estável e melhorar a estrutura da economia, segundo o documento.

O câmbio artificial utilizado pela China tem fortalecido a economia local (já aquecida e com o papel de maior exportador atual). Com o valor do yuan baixo, a China fica mais competitiva porque exporta seu excedente por um preço mais barato e a demanda cresce. E, ao mesmo tempo, enfraquece balanças comerciais em todo o mundo. Porém, com o câmbio flutuante, outros países do globo veem suas divisas valorizar – ficando sempre mais cara que o yuan.
O comunicado segue-se a uma conferência de três dias para a área econômica, uma reunião de alto nível dos líderes de política econômica

A China também gerenciará liquidez para manter estabilidade geral e ajudar na reestruturação econômica, citou o comunicado. Mais crédito será direcionado para áreas rurais e pequenas e médias empresas, disse o comunicado.
O documento reiterou o posicionamento frequentemente repetido sobre o yuan, dizendo que continuará aprimorando o mecanismo de taxa de câmbio e que manterá o yuan basicamente estável em uma taxa razoável.

O país também afirmou que vai garantir um ambiente econômico saudável e estável no próximo ano, ao dizer que buscará melhor relação entre manter crescimento estável e relativamente rápido, reestruturação econômica e gerenciamento das expectativas de inflação.

Apreciação do yuan
Uma apreciação mais rápida do yuan prejudicaria os exportadores chineses, afirmou o vice-diretor do órgão regulador de política cambial do país, sugerindo que é improvável que a China permita que sua moeda aprecie em um ritmo mais acelerado.

“As companhias chinesas não suportam isso”, afirmou Deng Xianhong, vice-diretor da Administração Estatal para Câmbio (Safe, na sigla em inglês), ao ser questionado se a China permitiria apreciação mais rápida do yuan para combater a inflação.

O atual sistema cambial trabalha em favor de prevenir que os exportadores locais sofram demasiadamente com uma apreciação do yuan, acrescentou Deng.

Tanto exportações quanto importações avançaram para níveis recordes em novembro e o superávit comercial teve leve estreitamento para um patamar ainda elevado de US$ 22,9 bilhões, mantendo pressão sobre Pequim para permitir um ritmo mais acelerado de apreciação do yuan.

O índice de preços ao consumidor também avançou 5,1% ante o ano anterior em novembro, marcando o ritmo mais rápido em dois anos e deflagrando manifestações de economistas para que Pequim adote medidas para limitar a inflação, incluindo elevação da taxa de juro e apreciação mais rápida do yuan.

Leia Também