Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

obras

Governo amplia prazo para término da duplicação da MS-156

21 DEZ 2010Por anahi zurutuza03h:40

As obras de duplicação e revitalização da rodovia MS-156, que liga Dourados a Itaporã, vão ser concluídas até o fim de janeiro de 2011 e para terminar o trabalho o governo do Estado terá de desembolsar mais R$ 1,8 milhão. O extrato do termo aditivo ao contrado – firmado entre a Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) e a CGR Engenharia Ltda, em 2009 – que prorroga o prazo de execução da obra foi publicado na edição de ontem do Diário Oficial do Estado (DOE). O mesmo aditivo registra o acréscimo de recursos para que os trabalhos sejam finalizados.

De acordo com o engenheiro Hélio Yudi Komiyama, gerente de obras viárias da Agesul, a duplicação da rodovia custará mais do que o orçado inicialmente – o valor de R$ 10.048.003,44 foi reajustado para R$ 11.848.272,69 – porque houve "algumas variações do projeto básico". "Tivemos de fazer a reprogramação dos quantitativos em função de alguns pontos que foram alterados. Uma das coisas que aconteceu foi que tivemos de aumentar a quantidade de traffic calming (quebra-molas) instalados no trecho da rodovia que passa por dentro da terra indígena Jaguapiru, para garantir a segurança dos moradores". O engenheiro não detalhou quais outros pontos do projeto foram alterados.

Obra
A MS-156 que até então possuía duas pistas (ida e volta) estreitas e sem acostamento está sendo transformada em via de 19 metros de largura, com duas faixas de 3,5 metros em cada sentido e acostamento com largura de 2,5 metros. Em toda a extensão, aproximadamente 18 quilômetros, além das pistas ampliadas foi construída uma mureta divisória de 80 centímetros de altura. Essa separação de pistas só permite retorno nas rotatórias construídas ao longo da rodovia. A MS-156 será, ainda, totalmente iluminada.

A obra está em fase final. Pouco mais de 15 quilômetros já está pavimentado. De acordo com o gerente de obras viárias da Agesul, o prazo de término da obra precisou ser ampliado para que a empreiteira contratada tivesse tempo de executar o que foi alterado do projeto.

Leia Também