Governo adia reunião com policiais federais sobre greve por 36 horas

Governo adia reunião com policiais federais sobre greve por 36 horas
21/08/2012 19:00 - AGÊNCIA BRASIL


A reunião entre o governo federal e os policiais federais, que ocorreria hoje (21) à noite no Ministério do Planejamento, foi adiada. O governo pediu 36 horas para apresentar uma proposta à categoria. Uma nova reunião foi marcada para as 8h de quinta-feira (23).

Para o diretor de Seguridade Social da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Naziazeno Florentino Santos, a mudança de data da reunião criou expectativa. “Achamos que [os representantes do governo] estão tentando solucionar as nossas demandas e é isso que também queremos. Não é questão de aumento, mas de reestruturação [da carreira]”.

De acordo com Santos, a categoria negocia há quase três anos uma pauta de reestruturação das carreiras de agente, escrivão e papiloscopista, além da equiparação salarial com os delegados. Com isso, os salários da categoria, que variam entre R$ 7 mil e R$ 11 mil podem chegar a R$ 13 mil.

Em greve há 14 dias, a categoria está mobilizada organizando protestos pelo país. Ontem um grupo de policiais federais fez uma manifestação no Aeroporto Internacional de Brasília - Presidente Juscelino Kubitschek. Eles sentaram na plataforma de embarque e exibiram faixas com reivindicações. Também ocorreram manifestações em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Os policiais federais também organizaram operações-padrão nos aeroportos. Segundo Santos, é uma maneira de mostrar para o governo que faltam investimentos em segurança pública no Brasil.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".