Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INFRAESTRUTURA

Governador diz que recursos do BNDES garantirão mais de R$ 1 bilhão para obras

Governador diz que recursos do BNDES garantirão mais de R$ 1 bilhão para obras
18/07/2012 18:30 -


Os projetos de execução de obras na área de infraestrutura estimados em R$ 675 milhões que possibilitam utilizar linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), somados aos R$ 357 milhões disponibilizados por proposta do Governo Federal pela instituição financeira representarão investimento de R$ 1,032 bilhão em Mato Grosso do Sul.

A confirmação foi feita pelo governador André Puccinelli durante solenidade de assinatura de Termo de Cooperação Técnica entre o Governo do Estado e a Sociedade Hospital Samaritano de São Paulo nesta quarta-feira (18). “O governo federal abriu o recurso para 10 estados, ampliando a capacidade de empréstimo, agora está estendendo para os outros 17 estados, incluindo Mato Grosso do Sul, por isso temos este montante de R$ 357 milhões garantidos imediatamente para as obras”, relatou André.

De acordo com Puccinelli, o montante de R$ 675 milhões do BNDES é equivalente aos projetos que já estão em estágio adiantado e prevê o investimento de cerca de R$ 400 milhões destinados à construção de rodovias, cerca de R$ 200 milhões investidos na recuperação de estradas, até R$ 15 milhões aplicados na construção do Hospital de Três Lagoas, mais R$ 50 milhões alocados para a construção do Hospital Escola da Faculdade de Medicina em Dourados, da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), além de R$ 10 milhões em Arranjos Produtivos Locais (APL).

O valor de R$ 357 milhões foi garantido através do pacote de uma linha de crédito especial de R$ 20 bilhões do BNDES oferecida aos estados, com juros subsidiados de até 8,1% ao ano, prazo de 20 anos, um ano de carência e fácil acesso.

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!