Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 12 de novembro de 2018

CAARAPÓ

Golpe promete resgate milionário da ex-Capemi

22 JUL 2012Por CAARAPÓ NEWS16h:00

Uma nova modalidade de golpe está sendo aplicada em Caarapó (MS). De posse de dados e informações sigilosas, estelionatários entram em contato com a vítima e tentam extorquir dinheiro mediante a promessa de resgate de crédito de fundos de pensão. O alerta foi feito pelo produtor rural e ex-vereador Joaquim Lins.

Esse tipo de golpe já foi praticado no estado de São Paulo. De acordo com o advogado Sérgio Santoro, como geralmente as vítimas têm realmente um crédito que julgava perdido, podem cair no golpe no afã de reaver o dinheiro.

Assim como aconteceu com Joaquim Lins, uma aposentada conta que recebeu em casa uma carta de uma seguradora de nome “Nacional” que lhe informava que ela tinha uma quantia de R$ 84.200,00 a receber referente ao fundo de reservas Previouro Pecúlios (antiga Capemi). Para isso, precisava entrar em contato com a agência pelo telefone informado no ofício.

Desconfiada, a mulher ficou curiosa e ligou para o número de telefone informado para obter mais informações. Ela foi informada que para receber a quantia teria que fazer um depósito antecipado de R$ 9.262,00 referente às custas judiciais. Se o pagamento fosse feito, a liberação seria imediata.

Ela disse que não dispunha desse valor, mas que  poderia ser descontado do montante que ele iria receber. A pessoa então sugeriu que ela fizesse um empréstimo para efetuar o pagamento que depois poderia ser quitado com o valor do pecúlio. Ela ainda foi orientada a não informar outras pessoas sobre o dinheiro.

A filha da aposentada fez uma pesquisa na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e não encontrou o nome da advogada da agência, Regina Bernardes Rocha. A filha então ligou para a agência e disse que iria a São Paulo para resolver tudo pessoalmente. Ao ouvir isso, a pessoa desligou o telefone e não entrou mais em contato.

A aposentada então procurou orientação de um amigo advogado que lhe recomendou registrar queixa no Procon. Joaquim Lins também recebeu uma carta da agência o que levantou a suspeita de que todas as pessoas que pagaram a Capemi também tenham recebido e possam se tornar vítimas dos estelionatários.

O advogado Sérgio Santoro observa que o crime é bem planejado. "A seriedade é uma marca utilizada pelos criminosos que, ao telefone, demonstram segurança nas informações prestadas. Muitas pessoas caíram no golpe e o Ministério Público Estadual (MPE) vem investigando a ação, mas até agora nenhum dos estelionatários foi detido", disse.

O advogado explica que dar veracidade à informação, a agência forneceu um número de processo com ganho de causa em segunda instância, porém o número é de outra ação na qual o nome da aposentada não aparece. "Que as pessoas fiquem alertas porque dinheiro não cai do céu", alerta Santoro.

Ele conta que tentou ligar para o número de telefone citado, mas não obteve sucesso. Além disso, diz, uma pesquisa feita na internet revelou que a AGNPP aplicou o mesmo tipo de golpe nos Estados do Rio Grande do Sul, São Paulo e de Minas Gerais.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também