Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

APÓS CASSAÇÃO

Goiás começa a investigar Demóstenes

13 JUL 2012Por ig14h:39

A Corregedoria-Geral do Ministério Público de Goiás (MP-GO) instaurou procedimento disciplinar contra o agora ex-senador Demóstenes Torres, que voltou nesta quinta-feira a exercer cargo como procurador de Justiça após ser cassado por elo com o bicheiro Carlos Cachoeira. A Corregedoria quer investigar eventual “infringência funcional, decorrente dos fatos trazidos a lume pela chamada Operação Monte Carlo”.

Segundo nota oficial divulgada pelo Ministério Público Goiano, o procedimento tem caráter sigiloso. Já foram solicitados documentos ao Senado Federal e à Procuradoria Geral da República (PRG) sobre as ligações de Demóstenes com Cachoeira. Não foram divulgados prazos para o encerramento das investigações da corregedoria do MP. Além de Demóstenes, o seu irmão, o procurador-geral de Justiça Benedito Torres Neto, também é alvo de uma investigação sob suspeita de ligações com o grupo de Carlinhos Cachoeira. Durante a investigação, deve ser apurada não somente o nível de relação entre o ex-senador e o bicheiro, como também o tempo em que se estabeleceu os primeiros contatos entre os dois. Demóstenes é membro do Ministério Público goiano desde 11 de maio de 1987 e está licenciado desde 1999. Segundo investigações do Ministério Público de Goiás, Carlinhos Cachoeira atuava no ramo de jogos de azar há pelo menos 30 anos.

Demóstenes reassumiu nesta quinta-feira suas funções como procurador de Justiça da 27ª promotoria criminal, responsável por apurar crimes contra a vida, contra a honra e também relacionados ao crime organizado. Após reassumir o posto como membro efetivo do Ministério Público de Goiás, a investigação que transcorre contra ele no Supremo Tribunal Federal (STF) seguirá para o Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), foro de competência para tramitação de ações contra procuradores de Justiça no Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também