Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Gobbi não cogita greve de atletas e assegura Corinthians em campo

Gobbi não cogita greve de atletas e assegura Corinthians em campo
07/02/2014 07:00 - terra


A ameaça de greve em protesto contra a invasão de torcedores ao CT Joaquim Grava não parece assustar o presidente alvinegro, Mário Gobbi. Em meio às especulações de uma paralisação geral do Campeonato Paulista no fim de semana, o mandatário está convicto de que seu time cumprirá o compromisso diante do Mogi Mirim, no domingo, no Romildão.

"Isto é um problema dos jogadores, mas já expliquei a eles as consequências negativas de uma greve. Falei agora há pouco com o Paulo André, que disse que isso não surgiu com o Bom Senso", comentou o mandatário.

Depois da invasão dos torcedores na manhã de sábado, os jogadores do Corinthians não queriam atuar no domingo, diante da Ponte Preta, mas Gobbi explicou ao grupo quais seriam os prejuízos do Timão por descumprir acordo com a Federação Paulista e também com a emissora detentora dos direitos de televisão.

Assim, os atletas desistiram da greve naquela ocasião. Depois disso, surgiu a possibilidade de todos os clubes paralisarem o campeonato, com o respaldo do Sindicato dos Atletas. Por meio de carta, os jogadores alvinegros manifestaram apoio à paralisação. Entretanto, Gobbi não teme uma pausa no Estadual.

"Acho que a greve teria sentido por melhorias no futebol, em estádio, gramado, tabela, calendário... Mas o que houve aqui foi problema de segurança pública. Não faz parte do futebol, e sim da sociedade como um todo. Desconheço greve e digo que vamos jogar domingo contra o Mogi", completou.

Portanto, ao entrar em campo no interior, o Corinthians tentará encerrar uma série de quatro derrotas na competição, sofridas para São Bernardo, Santos, Ponte Preta e Bragantino.

Felpuda


Figurinha começou a respirar aliviada, embora ainda esteja na corda bamba. Isso porque mudou de mãos o processo cuja sentença poderá mandá-la para casa definitivamente. Assim, pela “jurisprudência” com a qual o “analista” é conhecido, pode ser que o resultado seja bastante favorável, permitindo que a então desesperada pessoa continue com o assento em Brasília. Vamos ver!