Segunda, 18 de Dezembro de 2017

pré-candidata

Gleisi enfrenta protesto em 1º evento público

15 FEV 2014Por FOLHAPRESS12h:17

A senadora Gleisi Hoffmann (PT) enfrentou protestos no seu primeiro evento público depois de deixar a Casa Civil.

Pré-candidata ao governo do Paraná, Gleisi ministrou uma aula magna aos estudantes da Universidade Estadual de Maringá (UEM) ontem. O evento fez parte da Calourada, evento organizado pelo diretório estudantil.

Acompanhada do deputado estadual Enio Verri (PT), a senadora chegou à UEM às 19h30, onde concedeu entrevista à imprensa antes do evento. Enquanto falava com os jornalistas, um grupo de estudantes surgiu com cartazes nas mãos, gritando: "Eu quero mais dinheiro para saúde e educação, da Copa eu abro mão".

Os cartazes tinham dizeres contra o agronegócio, pela demarcação das terras indígenas e contra a criminalização dos movimentos sociais.

Gleisi não respondeu aos manifestantes, que permaneceram na entrada do auditório durante a palestra que ela proferiu para cerca de 500 pessoas, entre estudantes, professores e políticos de Maringá e região.

Verri, que falou antes da senadora, disse que entendia a manifestação. "Também já fui estudante e no tempo da ditadura, quando não se podia se manifestar", disse.

Os estudantes reagiram com vaias. Gleisi, que falou por 30 minutos, destacou os principais programas dos governos Lula e Dilma. No final, houve tempo para perguntas da plateia. Uma delas questionou o impasse na liberação de recursos do governo federal para o Paraná.

A petista voltou a negar que a União discrimine o Estado. "O problema era o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal, que o atual governo não vinha cumprindo", afirmou. "É a primeira fez que vi isso acontecer com o Paraná."

Escoltada por lideranças petistas, a senadora deixou o evento às 20h30. Na saída do auditório, estudantes voltaram a pedir investimentos na saúde e educação.

A estudante de ciências sociais Thais Pimentel, 26, uma das líderes do grupo, disse que a manifestação reflete o descontentamento dos estudantes. "Para nós, PT e PSDB são incapazes de promover as mudanças que o Brasil precisa", afirmou. 

Leia Também