Segunda, 18 de Dezembro de 2017

COBRANÇA

Giroto acusa Bernal de cometer 'estelionato eleitoral'

14 JAN 2014Por DA REDAÇÃO11h:30

Deputado federal licenciado e secretário estadual de Obras, Edson Giroto (PR) acusou o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), de cometer “estelionato eleitoral” por não cumprir as promessas da campanha eleitoral da última eleição municipal, em 2012, conforme matéria publicada hoje (14) no jornal Correio do Estado. Em publicação na rede social Facebook, Giroto lembrou a promessa do então candidato a prefeito, Alcides Bernal, quanto ao agendamento de consultas médicas em farmácias, assim como o congelamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), que não foram cumpridas pelo atual gestor.

Como disputou o último pleito pelo PMDB contra Alcides Bernal, Giroto conhece bem as propostas do opositor. Desta forma, ontem, o antigo adversário do prefeito decidiu cobrar, na rede social, as promessas que, após um ano de administração, ainda não foram cumpridas. “Cadê as consultas médicas agendadas em farmácias? As convocações dos concursados da educação? E o congelamento do IPTU?”, questionou Giroto. “Mais uma vez estamos vendo o descaso do atual prefeito, Alcides Bernal, com a nossa querida Capital e, em especial, com a população”, complementou ele.

Segundo Giroto, em toda a história da Capital, a arrecadação nunca foi “tão alta” e com “tão pouco investimento”. “Foram cerca de R$ 3 bilhões que deveriam estar melhorando a vida das pessoas. Infelizmente os recursos disponíveis não estão retornando como benefício para os campo-grandenses”, informou.Ao contrário do que prometeu Bernal sobre o congelamento do IPTU, neste ano o imposto teve aumento de 400%. “Para mim, chega a ser ridículo, além de abusivo. O pior é que esse aumento foi realizado por decreto municipal, sem passar, como deveria, pela Câmara de Vereadores”, lembrou Giroto. “Outro desmando administrativo, mais um dos inúmeros erros cometidos por esta administração”, afirmou. A reportagem é de Roberta Cáceres.

Leia Também