Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

BRYAN TANAKA

Ginga tipo exportação

16 NOV 2010Por Thiago Andrade00h:00

Com jeito simples e simpático, Bryan Kekoa Tanaka chegou ao Parque Horto Florestal, no qual concedeu entrevista coletiva aos jornalistas de diversos veículos de Campo Grande. O coreógrafo e bailarino, renomado por criar passos para cantoras pop como Beyoncé e Rihanna, veio à Capital para participar da quarta edição do MS Street Dance Fest, festival de dança de rua que começou na última quinta-feira e terminou ontem. A maior edição do evento, segundo Edson Clair, coordenador e diretor do Funk-se, companhia de dança que promove o festival, bateu recordes de público, participantes e também conseguiu o feito inédito de promover oficinas e workshops com grandes profissionais nacionais e internacionais.

"A dança é uma linguagem mundial, que atravessa barreiras como a língua", acredita Bryan. O bailarino e coreógrafo de 27 anos já esteve no Brasil três vezes, contudo, esta é a primeira em que participa de um festival de street dance brasileiro, assim como também é a primeira visita ao Estado. Ele, que fala apenas "obrigado" em português, ministrou workshop para cerca de 250 alunos e também atuou como comentarista das apresentações que passaram pelo palco do evento. "É engraçado ver como a dança de rua chega a todos os lugares. Vi muita coisa boa por aqui, tão longe de casa", descreve.

Sua carreira teve início somente depois que completou 18 anos, quando se juntou a um grupo de amigos e passaram a ensaiar passos para apresentações em festivais. "Antes disso, eu via na televisão artistas como Michael Jackson e Janet Jackson, ou até mesmo N’Sync, e fui descobrindo a paixão pela dança. Nos festivais, tivemos contato maior com a arte e a partir disso decidi fazer aulas", conta. A decisão não podia ser mais acertada. Com dedicação e estudo, Bryan tornou-se um dos mais requisitados no gênero. Até o ano que vem sua agenda está cheia de apresentações ao lado de Beyoncé e Rihanna.

"Trabalhar ao lado delas é um sonho que se realiza", aponta. O garoto de Lacey, pequena cidade de Washington, no Estados Unidos, alçou grandes voos e tornou-se conhecido mundialmente. Bryan, no começo da carreira, não imaginava que trabalharia com grandes artistas ou que viajaria o mundo, sendo convidado para mostrar e ensinar minha arte. "É meu trabalho, mas também é algo que me faz feliz, que me diverte. Eu não desisti e cheguei onde queria. O importante é isso", julga.

Em sua passagem pelo Brasil, Bryan também ministra workshops em Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro. As experiências com pessoas tão diferentes é uma chance de trocar conhecimentos e se aprimorar. "Em cada lugar, as pessoas executam movimentos de forma única. Eu vejo isso por onde passo e acabo crescendo enquanto profissional também", descreve. E o público também vem de diversos lugares para assistir aulas com o coreógrafo. Um exemplo, a estudante Carol Alencar, de 16 anos, que veio de Mato Grosso para participar do festival e do workshop.

Sozinho, Bryan já se apresentou em premiações importantes como o Grammy, MTV Video Music Awards, European Music Awards, entre outros. O trabalho de coreógrafo, segundo ele, é algo apaixonante. Para criar uma composição corporal para as artistas com quem trabalha, ele afirma que o primeiro passo é ouvir a música até cansar.

"Escuto 100 vezes, entendo cada letra, cada batida". A partir disso, "crio movimentos livres, sem me preocupar com a estética ou o sentido", continua. Segundo o coreógrafo, um dos momentos mais significativos da criação é adaptar a dança ao artista, entendendo como cada um se move. "Todos têm que se divertir enquanto dançam. Não posso engessar ninguém", pontua.

O caminho trilhado enquanto bailarino abriu portas para que Bryan também se arriscasse em outra área artística: a atuação. "Estou fazendo aulas de interpretação, quero me tornar um profissional". Ele já participou de campanhas publicitárias para a Nike, Pepsi e Apple. Um destaque em seu currículo de ator foi a participação na série Entourage, da HBO americana.

Atualmente, como um dos mais requisitados profissionais de street dance e hip hop do mundo, Bryan é instrutor do Milennium Dance Complex, em Los Angeles. Para quem participou do workshop com esse bailarino que afirma "quando ouço música, estou em paz. Quando danço, sou livre", a experiência foi algo para a vida toda.

Leia Também