PERSONALIDADE DA SEMANA

Geraldo Espíndola fala sobre ter canção no cinema nacional

Geraldo Espíndola fala sobre ter canção no cinema nacional
27/03/2011 00:00 - Laís Camargo


De voz grave e sorriso largo, o compositor Geraldo Espíndola carrega na história e nas palavras o amor pelo Mato Grosso do Sul. Eternamente envolvido pela filosofia hippie, com seu jeitinho cativante ele foi criando um estilo musical que mescla forte regionalidade e acordes delicados da MPB.

Geraldo é cheio de eternidades, tantas que na década de 70 compôs “Vida Cigana” para a namorada que tem até hoje. Sem pressa de nada, 33 anos depois, o reconhecimento desta canção foi progressivo – das rodinhas de violão para regravações de artistas como Raça Negra até a participação na trilha sonora do filme Bruna Surfistinha, que já alcançou os 2 milhões de expectadores.

Mesmo com a filosofia "paz e amor" estampada nas canções, a trajetória de Geraldo lhe dá todo direito de ir contra a corrente. Ele concorda sobre o R$ 1,3 millhão concedidos a Maria Bethânia para a criação de um blog e defende que trocar de carro é retirar demais do planeta sem devolver.

Ele também levou a música sul-matogrossense para a Europa, ampliando a visão internacional para a música brasileira, que muitas vezes é resumida em Chico Buarque e Caetano Veloso no exterior. Geraldo eterniza cada dia com alegria que transparece nas canções e na entrevista ao Portal Correio do Estado. Confira:

<>

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".