Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

Estudo

Gengibre cura enjoo, mas não em mulheres grávidas

28 ABR 2011Por The New York Times22h:20

O gengibre tem um longo histórico como cura para enjoo estomacal. Um de seus componentes ativos, 6-gingerol, é conhecido por ajudar a aliviar os músculos gastrointestinais, e uma pesquisa revelou que pílulas de gengibre e a raiz fresca podem aliviar enjoo de mar e outras formas de náusea.

No entanto, quando os pesquisadores analisaram recentemente os dados sobre o gengibre como tratamento para náusea nos primeiros meses de gravidez, os resultados não foram convincentes.

A análise foi realizada em 2010 e publicada no portal "Cochrane Database of Systematic Reviews". Nele, os pesquisadores reuniram dados de testes aleatórios do gengibre e outros remédios comuns para o enjoo matinal, concentrando-se em estudos que envolvem mulheres nas primeiras 20 semanas de gravidez, quando a ocorrência de vômito é mais comum.

Os cientistas descobriram que, embora o gengibre parecesse útil em alguns casos, a evidência geral de sua eficácia era "limitada e inconsistente".

Algumas mulheres reportaram que sentiram azia. Não foi encontrada explicação para o motivo de o gengibre parecer tão eficaz contra a náusea causada por outras razões, como tratamento por quimioterapia, porém menos eficiente nos primeiros meses de gravidez.

O estudo também analisou os dados sobre os suplementos de vitamina B6 e o enjoo matinal, nada convincentes, e analisou a acupuntura, que, de acordo com os pesquisadores, "não mostrou nenhum benefício significante para mulheres grávidas".

Os pesquisadores concluíram que, embora não haja uma forte evidência de eficácia em nenhum dos tratamentos estudados, as mulheres que quisessem experimentar algum deles de qualquer forma poderiam fazê-lo consultando seus médicos.

Em resumo, o gengibre é útil como tratamento contra náusea, mas o júri ainda tem suas dúvidas sobre sua eficácia como alívio para o enjoo matinal.

Leia Também