Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

SAÚDE

Gastos com reforma na Santa Casa estão orçados em R$ 44 mi, diz Martins

26 OUT 2010Por VIVIANNE NUNES16h:48

Reunião ocorrida há pouco com a Junta interventora administrativa da Santa Casa de Campo Grande apresentou relatório de planejamento de reformas orçados em R$ 44 milhões com previsão de término no ano de 2013. O encontro, dirigido pelo diretor presidente da Junta, Jorge Martins, contou também com a presença de representantes das secretarias de saúde do governo do Estado e do município e na ocasião, Martins afirmou que este relatório será encaminhado ao minstro da Saúde, José Gomes Temporão, com quem o prefeito já manteve o primeiro contato. A previsão é que apenas no setor de pediatria, R$ 6,1 milhões sejam despendidos.

À frente da Junta à 120 dias, Martins lembra que em 2005 a dívida da unidade hospitalar, uma das dez maiores do País, era de R$ 57 milhões e que este ano, R$ 22 milhões foram pagos referentes à dívidas da gestão anterior, o que causou desiquilíbrio nas contas da Santa Casa.

A reunião de hoje, segundo o diretor presidente, serviu para prestar contas do trabalho da equipe ao prefeito Nelson Trad Filho acerca de mudanças já feitas, as que estão em andamento e as planejadas. Ele lembra que alguns setores já passaram por reformas e o mais esperado deles é o Hospital do Trauma.

O relatório de obras já executadas traz a reforma do Pronto Socorro, do Espaço físico da nutrição enteral, dos CTI´s do primeiro e quinto andares, totalizando 21 leitos. O documento traz ainda a reforma da creche, de oito salas do centro cirurgico e revitalização e equipamento da recepção principal do hospital

Este ano estão previstos ainda a reforma do CTI 2, com seis leitos e da farmácia do centro cirúrgico, com datas previstas para 05 de novembro e reforma do espaço físico do banco de sangue para o dia 15 do mesmo mês.

Trauma

O Hospital do Trauma, um dos mais esperados para o atendimento da demanda na Santa Casa, deve estar pronto até o dia 21 de dezembro do ano que vem, conforme previsão da Junta Interventora. Para o diretor técnico Geraldo Marcos Faria, a grande epidemia do momento são os traumas. “Nas últimas 60 horas nós tivemos o registro de 141 cirurgias. Destas, 80% de traumas causados normalmente por acidentes”, afirmou.

O número de casos de trauma, segundo ele, provocados em sua maioria por acidentes de transito, é muito elevado, o que deverá lotar rapidamente a tão esperada unidade do Hospital do Trauma da Santa Casa.

Outros fatores segundo ele congestionam o atendimento, entre eles, o atendimento prestado a pacientes de outros municípios do Estado, de fora do Mato Grosso do Sul e até mesmo de outros países.

Na ocasião o prefeito Nelson Trad Filho disse que não há solução mágica para a melhoria dos problemas enfrentados pela Santa Casa e que as transformações deverão ocorrer há longo prazo. Ele reclamou de críticas que considera levianas e disse que o hospital nunca negou atendimento a quem quer que seja e a prova disso são os corredores abarratodas de pacientes. O fato, segundo ele, é que a Santa Casa não irá sobreviver sem “o braço forte do município e do governo do Estado” e por isso a importância de unir esforços.
 

Leia Também