Quarta, 13 de Dezembro de 2017

GAUCHÃO 2014

Garotos do Inter dominam São Luiz
e ganham por 1 a 0

18 JAN 2014Por g118h:58

O Inter fez a lição de casa. E não só porque, neste sábado, na abertura do Gauchão 2014, bateu o São Luiz com relativa tranquilidade, por 1 a 0, no Estádio do Vale, em Novo Hamburgo. Também porque se mostrou um aluno dedicado durante a semana e aprendeu com os vacilos da segunda-feira, quando deixou escapar um 2 a 0 e acabou levando virada de 3 a 2 do Pelotas, na Boca do Lobo, pela Recopa. Mais do que a vitória, portanto, o time de Clemer corrigiu os erros, mostrou-se maduro e ainda soube aproveitar o que de melhor se viu na derrota passada: Cláudio Winck. O lateral comprovou sua veia artilharia e marcou o golaço que abriu o triunfo, encerrado por Aylon.

O triunfo na estreia coloca o Inter com seus primeiros três pontos no Grupo A do Estadual - o time sub-23 deve representar o clube por ao menos mais três partidas. O jogo foi morno numa tarde tórrida na Região Metropolitana de Porto Alegre. Muito pelos méritos da equipe de Clemer, que soube administrar a vantagem obtida logo aos 10 minutos do primeiro tempo. Equipe aliás modificada em duas peças em relação ao revés da última semana. Os comandados de Beto Campos, alojados no Grupo B, no entanto, não foram bem. Faltou imposição sobre os garotos colorados, que eram observados por Abel, lutando contra o calor em camarote.

Na segunda rodada, o Inter sub-23 segue no Estádio do Vale. Isso porque enfrenta o Novo Hamburgo, como visitante, na próxima quarta-feira, às 22h. Já o São Luiz recebe o Juventude em Ijuí, no mesmo dia, mas às 20h30m, buscando recuperação.

18/01/2014 18h53 - Atualizado em 18/01/2014 19h08
Garotos do Inter dominam São Luiz e começam Gauchão com vitória: 2 a 0
Time sub-23 aprende com derrota na Recopa e vence com tranquilidade no Vale.
Cláudio Winck e Aylon marcam em partida marcada pelo calor em Novo Hamburgo
Por GloboEsporte.com
Novo Hamburgo, RS

15 comentários
O Inter fez a lição de casa. E não só porque, neste sábado, na abertura do Gauchão 2014, bateu o São Luiz com relativa tranquilidade, por 1 a 0, no Estádio do Vale, em Novo Hamburgo. Também porque se mostrou um aluno dedicado durante a semana e aprendeu com os vacilos da segunda-feira, quando deixou escapar um 2 a 0 e acabou levando virada de 3 a 2 do Pelotas, na Boca do Lobo, pela Recopa. Mais do que a vitória, portanto, o time de Clemer corrigiu os erros, mostrou-se maduro e ainda soube aproveitar o que de melhor se viu na derrota passada: Cláudio Winck. O lateral comprovou sua veia artilharia e marcou o golaço que abriu o triunfo, encerrado por Aylon.


O triunfo na estreia coloca o Inter com seus primeiros três pontos no Grupo A do Estadual - o time sub-23 deve representar o clube por ao menos mais três partidas. O jogo foi morno numa tarde tórrida na Região Metropolitana de Porto Alegre. Muito pelos méritos da equipe de Clemer, que soube administrar a vantagem obtida logo aos 10 minutos do primeiro tempo. Equipe aliás modificada em duas peças em relação ao revés da última semana. Os comandados de Beto Campos, alojados no Grupo B, no entanto, não foram bem. Faltou imposição sobre os garotos colorados, que eram observados por Abel, lutando contra o calor em camarote.
SAIBA MAIS
 Confira os lances do jogo no Tempo Real
A tabela completa do Gauchão 2014
Na segunda rodada, o Inter sub-23 segue no Estádio do Vale. Isso porque enfrenta o Novo Hamburgo, como visitante, na próxima quarta-feira, às 22h. Já o São Luiz recebe o Juventude em Ijuí, no mesmo dia, mas às 20h30m, buscando recuperação.

Garotos colorados garantem emoção
O calor insuportável levou pouco público ao Estádio do Vale, que ainda foi casa do Inter uma vez que o Beira-Rio se apronta para receber o Colorado só no dia 29. Aliás, o reduto colorado no Brasileiro já estava sem as arquibancadas móveis que elevaram sua capacidade em 2013. Um cenário desértico, pouco animador, que a vontade dos garotos tratou de suplantar. Para os comandados de Clemer era decisão de Copa do Mundo, no significado mais objetivo do famoso clichê. Tanto que a pressão começou cedo. E comprovou que valeu a pena o treinador mexer no time. Sacou o volante Bertotto e o atacante Nathan para os ingressos de Gladestony e Ruan.

Aos oito minutos, o zagueiro Thales ficou sozinho na marca penal, após escanteio do lado direito. No entanto, pegou mal na bola, que subiu sobre a meta de Alê. No minuto seguinte, no entanto, valeu a qualidade de quem ficou no time. O melhor que se vira na Recopa em Pelotas apareceu novamente: Cláudio Winck. Após gol de oportunismo e outro chutaço de falta na segunda-feira, o lateral-direito mostrou que também tem pontaria requintada com a bola rolando. E ainda com o pé esquerdo. Assim, acertou belo tiro colocado: 1 a 0. O primeiro gol do Gauchão é vermelho, para alegria de Abel Braga, que deixou a pré-temporada em Gramado para se abrigar num dos camarotes do Vale e observar os jovens.

Calor derruba Winck, não o Inter

om um time bem postado, entrosado e dono de jogadas envolventes pelas pontas, sobretudo com o lateral-esquerdo Raphinha e o atacante Aylon, o Inter dominou com relativa tranquilidade um São Luiz nada inspirado. Que só assustou mesmo em cobrança de falta de Aloisio, aos 12 minutos. Pouco para uma torcida que, embora pequena, primou pelo estilo: todos vestidos com camisas quadriculadas em vermelho e branco, à la Croácia. Aos 40, quase o segundo do Inter. Alex Nemetz, de boa atuação, chutou e Aylon desviou. O árbitro Diego Almeida Real marcou impedimento. Mas errou. Léo Macaé dava condição ao colorado.

- Muito feliz de fazer esse gol, o dia tá muito quente, complicado de jogar.

A frase premonitória é do destaque Cláudio Winck, que se sentiria mal no vestiário devido ao calor. Acabou subtituído. Diogo Vilela entrou em seu lugar. Mas quem improvisou como lateral direito aos cinco minutos foi Gladestony. Que cruzou com primor para Aylon ampliar. Justo prêmio para, talvez, a melhor peça ofensiva da partida: 2 a 0.

O jogo seguiu agora acompanhado pela chuva, que caiu com um bálsamo no Vale. O Colorado perdeu gols que poderia ter deixado a vitória com cara de goleada. Mas o que valem são os três pontos. E, claro, a lição bem aprendida do tropeço em Pelotas. Que o futuro seja algo parecido com o que se viu em Novo Hamburgo. 

Leia Também