Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 18 de outubro de 2018

Ganhador de loteria faz acordo com o pai

23 JUL 2010Por 22h:18
Vânya Santos

O pecuarista Fábio Cézar Barros Leão, de 30 anos, e o pai Francisco Serafim de Barros, 60 anos, fizeram acordo e deram fim ao processo judicial que o filho movia para reaver os bens que seu genitor adquiriu com o prêmio de 29 milhões, que Fábio ganhou na Mega Sena, em 2006.
O então superintendente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) e também empresário, Francisco, foi preso no dia 28 de maio, acusado de mandar matar o filho Fábio. O motivo seria a apropriação do prêmio, em disputa na Justiça.
De acordo com o advogado do pecuarista, Ricardo Monteiro, há cerca de duas semanas, em Jucimeira (MT), onde corria o processo, o empresário Francisco aceitou devolver uma fazenda de 2.100 hectares, localizada em Mato Grosso, ao filho. Em contrapartida, Fábio entregou ao pai três caminhonetes, um apartamento e 1.600 cabeças de gado.
“Segundo meu cliente, ele acabou selando acordo para ter paz”, contou o advogado Ricardo, explicando que o acordo foi firmado só judicialmente, já que durante a conciliação os dois ficaram em salas separadas e não trocaram uma palavra.
O pai de Fábio já havia devolvido o equivalente a 50% do prêmio em gados e fazendas, mas cerca de 30 dias depois dessa devolução o pecuarista ajuizou processo para reaver o restante dos bens.

Caso
Investigação conduzida pela Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras), de Campo Grande, resultou na prisão preventiva de Francisco e do filho Fabiano Barros Leão, de 32 anos, em Cuiabá.
O caso começou a ser investigado em março deste ano, quando dois pistoleiros foram presos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Jaraguari. Eles estariam vindo à Capital para matar Fábio, que estaria na cidade em visita à noiva. Na época, havia indícios de que quatro pistoleiros de Rio Verde, em Goiás, foram contratados por Francisco e Fabiano para executar o crime. O pai foi preso quando deixava a sede da Fiemt, em Cuiabá (MT). Já o filho, Fabiano, foi detido numa fazenda, em Juscimeira.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também