sexta, 20 de julho de 2018

ENTRAVE

Gabarito do Enem só será divulgado após decisão da Justiça, diz ministro

9 NOV 2010Por 13h:52

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse nesta terça-feira (9) que a divulgação do gabarito do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) depende da juíza federal da 7ª Vara Federal do Ceará, Karla de Almeida Miranda Maia, que suspendeu na segunda-feira (8) o exame em todo o país. Mas segundo ele, a intenção do Ministério da Educação é de fato divulgar o gabarito.

"Nós entramos já em contato com a juíza no Ceará, vamos fazer um pedido formal para que ela se posicione até o final da tarde sobre o não impedimento da divulgação do gabarito e da entrada no ar do portal. Ela se mostrou aberta à consideração, mas evidentemente eu não posso anunciar uma decisão judicial", afirmou o ministro.

Haddad se reuniu com o presidente da OAB, Ophir Cavalcante, para conversar sobre os problemas ocorridos com o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), realizado no último final de semana em todo o país.

"Viemos trazer à consideração da OAB a tranquilidade da nossa parte quanto à comparatividade de provas por conta da Teoria de Resposta ao Item", disse. Segundo o ministro, a TRI já garantiu que fosse possível aplicar novas provas do Enem em 2009 para quase 8 mil alunos de uma região que foi vítima de enchente no Espírito Santo, e a situação seria similar.

saiba mais

Previsão do 2º Enem coincide com provas de universidades públicas PF investiga suspeita de vazamento de tema da redação do Enem Comissão do Senado chama Haddad para falar de problemas no Enem Justiça Federal concede liminar para suspensão do Enem "Nós imaginávamos que essa discussão em torno do tema fosse ocorrem em 2009 (ano em que o TRI foi implantado), mas ela só ocorreu este ano", afirmou. Ele explicou que o método já existe no Brasil há 15 anos e é aplicado há mais tempo ainda em provas internacionais, como o TOEFL (exame de proeficiência em inglês).

Ophir disse que o mundo jurídico deve se debruçar sobre o assunto para saber se a TRI garante de fato a isonomia. "O princípio da isonomia, da igualdade, é a maior preocupação que a ordem tem. É aquele candidato que fez a prova e não vai fazer de novo ter a mesma igualdade na aferição do que aquele que vai fazer novamente. É justamente sobre isso que nós vamos nos debruçar agora. É importante que o mundo jurídico discuta isso, para consolidar de uma vez ou não esse modelo [de prova]", disse Cavalcante.

Segundo ele, a prova pode ser anulada como um todo caso se verifique que a Teoria de Resposta ao Item não garanta isonomia para os candidatos.

Ainda no domingo (7), o presidente da ordem chamou o problema de "mais um desastre na área da educação" e cobrou a apuração dos responsáveis, posicionando-se ao lado dos estudantes prejudicados.

O primeiro dia de provas do Enem 2010, no sábado (6), foi marcado por confusão. Na saída, os estudantes reclamaram da inversão dos nomes das áreas na folha de respostas e de problemas na prova amarela, como a falta de algumas questões, a duplicação de outras e questões diferentes com a mesma numeração. Além disso, havia perguntas da prova branca misturadas no meio do caderno. Alguns jovens disseram que preencheram o gabarito com as questões invertidas.

De acordo com informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), um lote inferior a 1% do total das provas do caderno amarelo teve problemas na impressão. Dos estudantes que receberam essas provas, a grande maioria teria recebido um novo exemplar do caderno de questões ainda durante a realização do exame. O Inep informou que a minoria desses estudantes não teve o caderno substituído ou se recusou a substituir a prova.

A decisão da Justiça Federal do Ceará suspendeu, em caráter liminar, o exame em todo o país e foi tomada na segunda-feira pela juíza federal da 7ª Vara Federal, Karla de Almeida Miranda Maia, que aceitou a argumentação de ação civil pública do Ministério Público Federal. A ação afirma que erros no exame causaram prejuízo para os candidatos. Cabe recurso. O ministro Haddad já manifestou que vai encaminhar esclarecimentos sobre o exame à juíza, para tentar reverter a decisão.

Haddad reforçou o que havia dito em uma coletiva para a imprensa no dia anterior, que o número de 2 mil estudantes prejudicados, divulgados anteriormente pelo MEC, não é preciso. "Já não são 2 mil. A cada dia esse número cai por conta das informações. Há poucas identificações: 12 casos em Sergipe, alguns poucos casos no Paraná, sobretudo em Curitiba, entre outros. Vamos analisar caso a caso", disse.

O presidente da OAB levou ao ministro a preocupação quanto ao preparo dos fiscais de sala em exames como o Enem. "Os fiscais infelizmente não estão bem preparados para atender aos candidatos. É necessário que o MEC deite um olhar diferenciado sobre isso, que prepare melhor", declarou.

Sobre o convite da Comissão de Educação do Senado para que o ministro preste esclarecimentos sobre o exame, Haddad afirmou que a iniciativa partiu dele mesmo. "Foi a meu pedido. Eu liguei para a senadora Fátima Cleide (PT-RO) e para o deputado [Angelo] Vagnoni (PT-PR) hoje pela manhã me colocando à disposição, como fiz no ano passado. Deixei a semana que vem inteira à disposição dos senadores", declarou.

Leia Também