Sábado, 17 de Fevereiro de 2018

MERCADO

Fusões e aquisições no País atingem recorde em 2010

22 DEZ 2010Por esTADÃO15h:02

O ano de 2010 marca um recorde em operações de fusões e aquisições no País. Segundo a auditoria KPMG, até o último dia 20 foram realizadas 707 operações, já superando a marca histórica anterior de 699 transações registradas durante todo o ano de 2007. Na comparação do acumulado do ano até 20 de dezembro com o mesmo período de 2009, quando ocorreram 454 fusões e aquisições, o crescimento é de 56%.

 "O fator decisivo para a quebra desse recorde foi o apetite das empresas estrangeiras por aquisições no Brasil. Em relação ao ano passado, até o momento, houve um aumento de 87% nessas transações, enquanto as aquisições lideradas por empresas brasileiras cresceram 46% no mesmo período. As aquisições brasileiras somam um número relevante, mas o verdadeiro diferencial foi o aumento do investimento estrangeiro no País", afirmou o sócio responsável pela pesquisa de Fusões e Aquisições da KPMG no Brasil, Luis Motta, em nota.

No acumulado de 2010, as transações lideradas por brasileiras representaram 60% do total, sendo 323 domésticas (entre empresas de capital brasileiro), 65 aquisições/fusões de estrangeiras estabelecidas no exterior e 34 compras/fusões de estrangeiras localizadas no País.

Já na análise do país de origem das empresas estrangeiras que adquiriram operações brasileiras durante 2010, o destaque ficou com as companhias norte-americanas (com 113 transações), seguidas por França (com 22 transações) e China (com 21 transações).

Entre os segmentos que mais promoveram esses tipos de operações, destacaram-se, no ano, o setor de Tecnologia da Informação (85 transações); Alimentos (41); Bebidas e Fumo (38); Real Estate (construção, com 35); e Energia e Óleo & Gás (33). Outros setores relevantes foram Prestadoras de Serviços (29 transações); Instituições Financeiras (28); além de Açúcar e Álcool; Agências de Publicidade; e Telecom e Mídia, com 26 transações em cada segmento.

Dados trimestrais

A KPMG também apresentou os dados de fusões e aquisições do último trimestre do ano. De acordo com a auditoria, seguindo a tendência do trimestre anterior, em números absolutos, o movimento continua sendo liderado pelas empresas brasileiras, que participaram de 56% das 176 operações realizadas entre outubro e dezembro. Na comparação com o trimestre imediatamente anterior (julho a setembro), houve queda de 3% nas operações domésticas (de brasileira comprando brasileira), com 99 acordos ante 102 do período de relação.

As fusões e aquisições feitas por empresas brasileiras com estrangeiras estabelecidas no exterior ficaram estáveis no quarto trimestre, com 13 operações ante 14 do terceiro trimestre. As operações de brasileiras adquirindo estrangeiras com sede no Brasil apresentaram crescimento moderado, com duas operações a mais do que as cinco registradas entre julho e setembro.

As aquisições realizadas por companhias estrangeiras ficaram praticamente estáveis entre outubro a dezembro: 77 negócios ante 78 no terceiro trimestre. No período, foram realizadas 45 operações de estrangeiras adquirindo brasileiras no Brasil; 30 acordos de companhias de outros países adquirindo de estrangeiras no Brasil e duas transações de estrangeiras comprando, de brasileiros, empresas de capital nacional estabelecidas no exterior.

Leia Também