sexta, 20 de julho de 2018

poder

Fundo partidário será R$ 100 milhões maior

15 JAN 2011Por folha online12h:46

Deputados e senadores decidiram ajudar suas legendas e turbinaram, durante a votação do Orçamento de 2011, o Fundo Partidário com um aumento de R$ 100 milhões.

O reforço pode ser a saída para que os partidos paguem as dívidas da corrida presidencial. A alternativa, que segundo líderes partidários é recorrente, representa uma espécie de "estatização" dos gastos de campanha.

Ao todo, o fundo tem uma previsão orçamentária de R$ 301 milhões, sendo R$ 265 milhões com origem no Orçamento da União e R$ 36 milhões referentes à arrecadação de multas eleitorais.

A proposta encaminhada pelo governo era de R$ 165 milhões do Orçamento. Na Comissão Mista do Orçamento, o valor passou por reajuste de 62%, contando com mais R$ 100 milhões. A informação foi divulgada pelo jornal "O Estado de S. Paulo".

Os recursos podem ser aplicados na manutenção das sedes, pagamento de pessoal e campanhas eleitorais, o que possibilita o uso para quitar as dívidas.

Com débito de R$ 27,7 milhões pela campanha da presidente Dilma Rousseff, o PT terá a mais R$ 16,1 milhões, somando R$ 42,5 milhões.

O PSDB, com débito de R$ 9,6 milhões, teve a receita ampliada em R$11,4 milhões --total de R$30,3 milhões.

O PT afirmou que não pretende usar o fundo para quitar os compromissos de campanha. O PSDB disse que a prioridade é saldar a dívida.

Os integrantes da comissão preferem não revelar quem propôs o aumento.

A relatora do Orçamento, senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), disse que a ideia já estava posta quando assumiu o posto em dezembro.

O deputado João Almeida (PSDB-BA) disse que a utilização do fundo para pagar dívidas já é uma prática.

Leia Também