Fundador do site Megaupload acusa polícia de espancá-lo

Fundador do site Megaupload acusa polícia de espancá-lo
07/08/2012 11:30 - terra


O fundador do Megaupload, Kim Dotcom, afirmou nesta terça-feira em um tribunal neozelandês que a polícia abusou da violência durante sua prisão, em janeiro. Segundo ele, os policiais o agrediram com socos e pontapés depois de entrarem em sua casa com um helicóptero, e que desde então sua mansão em Auckland se tornou "maldita" pelas lembranças ruins.

"Eu estava gritando de dor. Eu disse a eles que não precisavam me bater ou me machucar e pedi para que parassem", afirmou Dotcom, que aguarda a decisão sobre sua extradição para os Estados Unidos, que o acusa de pirataria e lavagem de dinheiro.

Durante a audiência de três dias, o tribunal mostrará o vídeo da prisão de Dotcom, embora o Ministério Público tenha pedido a proibição da exibição. Em junho, a juíza Helen Winkelmann declarou que foi ilegal o mandado de busca e apreensão dos bens do fundador do Megaupload, que inclui computadores, discos rígidos e carros luxo.

Dotcom foi preso em janeiro com outros três executivos do site de compartilhamento de arquivos em sua mansão, em uma operação liderada pelos Estados Unidos que inclui o fechamento do serviço. Autoridades americanas afirmam que o Megaupload causou perdas de US$ 500 milhões para a indústria do cinema e da música com a violação de direitos autorais, além da obtenção de um lucro de US$ 175 milhões.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".