Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 17h04min

desde 1987

Fundador do C13 diz que CBF acabou com a entidade

28 FEV 11 - 13h:48Blog do Boleiro

Idealizador e fundador do Clube dos Treze, o advogado Carlos Miguel Aidar decretou: “A CBF conseguiu implodir o Clube. Para mim, o C13 já acabou”. Em entrevista ao Blog do Boleiro, Aidar disse estar “triste” com que vem acontecendo com a entidade criada em 1987.

Para o advogado, ex-presidente do São Paulo, a entidade que ele ajudou a criar deixou de lado sua razão de ser. “O Clube perdeu o élan, a motivação, o charme. De uma posição política contra a CBF, passou a ser um negociador dos direitos de televisão submisso à TV Globo e à CBF”, afirmou.

Ele acha que o C13 “vem se desintegrando e enfraquecendo há tempos”. Um dos motivos foi a entrada de mais seis clubes. “O Clube começou a acabar aí. Hoje tem muita gente trabalhando lá remunerada, e muito bem remunerada. Mudou o princípio daquele movimento de 87. Isso me deixa muito triste”.

Aidar, então presidente do São Paulo, liderou o movimento dos clubes grandes brasileiros que decidiram romper com a Confederação Brasileira de Futebol. Ele, Paulo Odone (hoje no Grêmio) e Márcio Braga (dirigente do Flamengo na época) iniciaram um movimento que trouxe outras 10 agremiações para fundar o Clube dos Treze.“Foi um movimento político buscando independência da CBF. Mostramos que era possível organizar um campeonato sem ela, com viabilidade econômica”, afirmou o ex-dirigente que hoje não atua mais no meio do futebol. “Sou apenas advogado”, falou Aidar, ex-presidente da seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil.

Um dos objetivos do Clube dos Treze era o de servir de instrumento para a criação de uma Liga Independente de Clubes. “Na época, faltou força política para tocar o projeto”, avaliou. Com isso, o C13 passou a ter sua ação limitada.

Para viabilizar a Copa União, torneio organizado pelo Clube em 1987, os dirigentes dos grandes procuraram o apoio da TV Globo. Os homens de marketing do São Paulo (Celso Grellet) e Flamengo (João Henrique Areias) passaram a trabalhar em tempo integral para trazer parcerias com empresas como Coca-Cola e Varig.

Nos mais de 20 anos de existência, o C13 teve a oportunidade de vender os direitos de transmissão para outras emissoras. Permaneceu com a Globo. Em 1997, o SBT chegou a denunciar a quebra de um acordo verbal. A emissora de Silvio Santos chegou a fechar um preço para ter a exclusividade de exibição do Campeonato Brasileiro. Mas foi surpreendida por um contrato assinado com a Rede Globo.

Nesta segunda-feira, Santos e Palmeiras devem anunciar a posição com relação à venda dos direitos para os próximos três anos. Decidem também se continuam filiados ou não ao Clube dos Treze. Corinthians já está fora da entidade. Coritiba, Flamengo, Botafogo, Fluminense e Vasco da Gama já avisaram que vão negociar direitos de transmissão separadamente.

Carlos Miguel, 65 anos, diz que esta é a tendência: esvaziar o Clube dos Treze, com cada um negociando seus interesses e fortalecendo o poder da CBF. “Que é muito competente neste tipo de jogo”, afirmou.

Perguntado sobre a posição do São Paulo, alinhada ao Clube dos Treze, Aidar disse achar difícil avaliar porque não conheço os meandros políticos desta nova situação”.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Desbloqueio de rio pela PF resulta   em confronto com manifestantes
RIO PARAGUAI

Desbloqueio de rio pela
PF resulta em confronto

PM encontra 185 quilos de droga em residência no bairro Itamaracá
TRÁFICO

PM encontra 185 kg de droga em residência no Itamaracá

Governo espera resultado de prova para avaliar novo concurso
PROFESSORES

Estado espera resultado para avaliar novo concurso

Militares e PSL disputam sucessão de Bebianno no governo Bolsonaro
BRASIL

Militares e PSL disputam sucessão de Bebianno no governo Bolsonaro

Mais Lidas