Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 12 de dezembro de 2018

desde 1987

Fundador do C13 diz que CBF acabou com a entidade

28 FEV 2011Por Blog do Boleiro13h:48

Idealizador e fundador do Clube dos Treze, o advogado Carlos Miguel Aidar decretou: “A CBF conseguiu implodir o Clube. Para mim, o C13 já acabou”. Em entrevista ao Blog do Boleiro, Aidar disse estar “triste” com que vem acontecendo com a entidade criada em 1987.

Para o advogado, ex-presidente do São Paulo, a entidade que ele ajudou a criar deixou de lado sua razão de ser. “O Clube perdeu o élan, a motivação, o charme. De uma posição política contra a CBF, passou a ser um negociador dos direitos de televisão submisso à TV Globo e à CBF”, afirmou.

Ele acha que o C13 “vem se desintegrando e enfraquecendo há tempos”. Um dos motivos foi a entrada de mais seis clubes. “O Clube começou a acabar aí. Hoje tem muita gente trabalhando lá remunerada, e muito bem remunerada. Mudou o princípio daquele movimento de 87. Isso me deixa muito triste”.

Aidar, então presidente do São Paulo, liderou o movimento dos clubes grandes brasileiros que decidiram romper com a Confederação Brasileira de Futebol. Ele, Paulo Odone (hoje no Grêmio) e Márcio Braga (dirigente do Flamengo na época) iniciaram um movimento que trouxe outras 10 agremiações para fundar o Clube dos Treze.“Foi um movimento político buscando independência da CBF. Mostramos que era possível organizar um campeonato sem ela, com viabilidade econômica”, afirmou o ex-dirigente que hoje não atua mais no meio do futebol. “Sou apenas advogado”, falou Aidar, ex-presidente da seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil.

Um dos objetivos do Clube dos Treze era o de servir de instrumento para a criação de uma Liga Independente de Clubes. “Na época, faltou força política para tocar o projeto”, avaliou. Com isso, o C13 passou a ter sua ação limitada.

Para viabilizar a Copa União, torneio organizado pelo Clube em 1987, os dirigentes dos grandes procuraram o apoio da TV Globo. Os homens de marketing do São Paulo (Celso Grellet) e Flamengo (João Henrique Areias) passaram a trabalhar em tempo integral para trazer parcerias com empresas como Coca-Cola e Varig.

Nos mais de 20 anos de existência, o C13 teve a oportunidade de vender os direitos de transmissão para outras emissoras. Permaneceu com a Globo. Em 1997, o SBT chegou a denunciar a quebra de um acordo verbal. A emissora de Silvio Santos chegou a fechar um preço para ter a exclusividade de exibição do Campeonato Brasileiro. Mas foi surpreendida por um contrato assinado com a Rede Globo.

Nesta segunda-feira, Santos e Palmeiras devem anunciar a posição com relação à venda dos direitos para os próximos três anos. Decidem também se continuam filiados ou não ao Clube dos Treze. Corinthians já está fora da entidade. Coritiba, Flamengo, Botafogo, Fluminense e Vasco da Gama já avisaram que vão negociar direitos de transmissão separadamente.

Carlos Miguel, 65 anos, diz que esta é a tendência: esvaziar o Clube dos Treze, com cada um negociando seus interesses e fortalecendo o poder da CBF. “Que é muito competente neste tipo de jogo”, afirmou.

Perguntado sobre a posição do São Paulo, alinhada ao Clube dos Treze, Aidar disse achar difícil avaliar porque não conheço os meandros políticos desta nova situação”.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também