Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

Fundador da Parmalat novamente preso por falência do grupo

6 MAI 2011Por afp05h:00

Calisto Tanzi, o ex-presidente do grupo italiano Parmalat, cuja falência em 2003 deixou um buraco de 14 bilhões de euros, foi detido de novo nesta quinta-feira em Parma (norte) depois de ter sido condenado de forma definitiva a 8 anos e um mês de prisão, anunciou a polícia.

Tanzi, de 72 anos, foi detido em sua residência e levado para uma prisão e Parma, sua cidade natal e sede do grupo agroalimentar.

A ordem de prisão foi emitida pelo tribunal de Milão (norte) depois da confirmação na quarta-feira, por parte da Corte de Cassação, de sua condenação por malversação na bolsa e obstruir o trabalho das autoridades de controle.

A Corte reduziu a pena fixada em 2008 de dez anos de prisão a oito anos e um mês.

Tanzi gozava de liberdade devido a sua idade, depois de ter passado nove meses na prisão quando explodiu o escândalo.

O caso Parmalat é considerado um dos maiores escândalos financeiros da Europa depois da descoberta do buraco contábil de mais de 18,5 bilhões de dólares a câmbio atual.

A Parmalat, que foi declarada insolvente poucos dias depois, empregava então 36.000 pessoas em 30 países e tinha fábricas e investimentos em quase toda a América Latina, em particular no Brasil.

Leia Também