ECONOMIA

Frigoríficos reajustam os salários

Frigoríficos reajustam os salários
06/03/2010 03:54 -


Os 5.500 trabalhadores dos frigoríficos controlados pela empresa JBS em Campo Grande e Naviraí terão os salários reajustados e participação nos lucros da companhia. O acordo tranquilizou os empregados do setor, que planejavam iniciar greve ontem. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores e Indústrias de Carnes e Derivados da Capital, o valor mínimo pago aos funcionários passará de R$ 510 para R$ 570, acréscimo de 11,7%. Rendimentos acima do novo piso terão reajuste de 7%. A proposta, que partiu da empresa, foi aprovada em assembleia geral, na tarde de sexta-feira, pelos funcionários das unidades Friboi-JBS e Bertin- JBS. O acordo inclui ainda o pagamento de R$ 1.680 por ano como participação nos lucros da empresa para cada trabalhador, plano de saúde e mais: dentro de dois meses, após reestruturação da escala de abates, os sábados serão livres. O sindicato acredita que a posição da multinacional pode influenciar a negociação por melhores salários com empresas frigoríficas do Estado. No último dia 23, em reunião no Ministério do Trabalho, o sindicato patronal e o representante dos trabalhadores começaram a discussão, ainda sem sucesso, sobre os índices de reajuste. Os empregados querem piso de R$ 615 e 11% de acréscimo para quem fatura mais do que isso, já os empresários oferecem 4,6%, mas disseram estar “abertos a negociação”. Até o fechamento desta edição, o Sindicato das Indústrias de Frio, Carnes e Derivados de MS não se pronunciou a respeito da decisão do JBS, ou se adotará os valores reajustados pela empresa como referência em outras negociações.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".