Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 24 de fevereiro de 2019 - 02h17min

Freixes é condenado a 3 anos de detenção

4 MAI 10 - 07h:38
Fernanda Brigatti

O ex-prefeito de Aquidauana, Raul Freixes, foi condenado a três anos e seis meses de detenção por contratar, sem licitação, dois advogados para representar a prefeitura do município em um ação contra a Receita Federal. O juiz da 1ª Vara Criminal, Alessandro Leite Pereira, também o condenou ao pagamento de multa de 40 salários-mínimos e à proibição temporária de desempenhar função pública. Freixes responde a 42 processos, pelo período em que foi prefeito (1996-2000).

Além de Freixes, também foram condenados o então secretário municipal de Fazenda, Carlos Augusto Paim Mendes, e a ex-procuradora jurídica de Aquidauana, Mary Stella Martins de Oliveira. A sentença determina três anos e seis meses de detenção, em regime aberto, para ambos e pagamento de multa.

Naudir Brito Miranda e Emerson de Oliveira Mello foram contratados em 2000 para defender a prefeitura em uma ação contra a Receita Federal, buscando retirar o município do Cadastro de Informações (Cadin), que inviabilizaria convênios com órgãos federais. O valor dos honorários foi fechado em R$ 10 mil.
De acordo com a denúncia, Naudir Miranda, ciente da ilegalidade da ausência de licitação, exigiu um cheque como garantia. O advogado recebeu, então, um cheque da conta pessoal de Carlos Paim, a pedido do ex-prefeito. Em junho do mesmo ano, Mary Stella solicitou o empenho do valor, a favor de Naudir.
A denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) aponta ainda que Raul Freixes mentiu ao declarar, à Polícia, que desconhecia a contratação dos advogados. A procuração dando a Naudir Miranda e Emerson Mello poderes de representação, no entanto, foi assinada por ele. Para o MPE, os três acusados não comprovaram “notória especialização“ dos contratados, argumento que justificaria a dispensa da licitação.
Freixes, Mary Stella e Carlos Paim poderão recorrer da decisão.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Promotoria abre inquérito após shopping de SP pedir autorização para apreender meninos de rua

BRASIL

Chanceler diz que ação na Venezuela não tem caráter intervencionista

Mãos que falam:
LUIS PEDRO SCALISE

Mãos que falam: "Em tempos de Dieta"

VENEZUELA

Maduro discursa para apoiadores e critica ajuda humanitária

Mais Lidas