Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Franquias buscam “terreno” para fixar negócios na Capital

23 JUL 10 - 22h:12
Carlos Henrique Braga

O mercado consumidor brasileiro amadurece e o de Campo Grande vai no embalo. Empresários já olham a Capital como lugar de oportunidades para expandir os negócios. Prova disso é que sobram franquias querendo instalar-se por aqui e desenvolver o setor de serviços, ainda pouco explorado. O investimento é baixo: com R$ 15 mil dá para ser dono de marca nacional, mesmo que pouco conhecida.
Ontem, no primeiro dia da Feira do Empreendedor, ideia do Sebrae/MS que tomou o Centro de Convenções Albano Franco, duas dezenas de franqueadores disputavam a atenção dos visitantes. Quer abrir um negócio para vender pote de plástico de porta em porta? Tem. Quer investir pouco com a promessa de lucro sem sair de casa? Tem também. O modelo de home based (baseado em casa, em tradução livre) foi copiado dos Estados Unidos pela Zaoim franquias, que oferece sete modelos de empreendimento de baixo custo. Em dois anos, a empresa ganhou mais de 350 franqueados no Brasil.
Duas já existem em Campo Grande: a Doutor Faz Tudo, que “aluga” mão de obra para consertos caseiros; e a Home Angel, que tem cuidadores especializados em idosos. Para abrir uma unidade, é precico desembolsar, em média, R$ 15 mil.
O representante da franqueadora, Samuel Quintans, explica que, como prestadora de serviço em casa, a empresa tem de arcar apenas com custos de abertura e Imposto Sobre Serviços (ISS). O alvo são profissionais liberais com pouco dinheiro e experiência em gestão. A empresa oferece treinamento e orientação.
Com previsão de ser inaugurado em março, o Shopping Norte Sul Plaza, na Capital, comercializou 84% dos espaços destinados a lojas satélites, as menores que rodeiam grandes marcas, chamadas de âncoras. De olho na área vazia, franqueadores nacionais jogam o anzol para fisgar o empresário da cidade. São 18 marcas, de cosméticos a sanduíches, para quem tem pelo menos R$ 180 mil no bolso.
“Muitas marcas não vinham a Campo Grande porque não encontravam lugar no shopping ou no centro, ou até mesmo não tinham como estratégia se instalar fora de shoppings”, analisa o sócio do centro de compras da Avenida Ernesto Geisel, Antonio Arbex.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

RESTRIÇÃO

Trump limitará vistos para grávidas para frear 'turismo de maternidade'

Mesmo sem confirmar convite, Regina Duarte escolhe 'número 2' da Cultura
SECRETARIA

Mesmo sem confirmar convite, Regina Duarte escolhe 'número 2' da Cultura

NESTE ANO

Governo vai alterar sistemática de correção do salário mínimo, diz Waldery

Petrobras reduz preço da gasolina e do diesel para distribuidoras
REAJUSTE

Petrobras reduz preço da gasolina e do diesel para distribuidoras

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião