Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

França não sabe se poderá recuperar corpos do voo 447 do oceano

15 ABR 11 - 06h:48Estadão

A operação de resgate dos destroços do voo AF-447, que terá início em 21 de abril, pode não resultar na recuperação dos corpos de passageiros e tripulantes que estão presos às ferragens. A informação foi confirmada nesta quinta-feira, 14, ao Estado pela Secretaria dos Transportes da França. A dúvida reside no temor de que os restos mortais não resistam à tentativa de içamento, que será realizada por robôs-submarinos e cabos.

Em nota oficial publicada na segunda-feira, em Paris, a secretaria havia informado que a ênfase do trabalho de repescagem dos destroços do voo AF-447 no oceano Atlântico seria direcionada às peças do avião. "A prioridade será dada à investigação técnica e, se forem encontradas, à repescagem dos gravadores de voo", informou o órgão, em nota oficial. Hoje, a reportagem obteve explicações sobre as razões que levam o governo da França à enfatizar a investigação técnica.

A resposta: há dúvidas sobre a capacidade das máquinas de efetuar com sucesso a operação de resgate dos restos mortais. "Vamos tentar recuperar os corpos, mas ainda não sabemos se será possível fazê-lo, porque não sabemos como eles reagirão ao içamento", informou uma porta-voz da secretaria, que tentou adaptar conteúdo do comunicado da segunda-feira: "Na verdade, não há prioridade".

De acordo com a secretaria, a tripulação do navio "Ile-de-Sein" realizará a operação técnica, a respeito das causas do acidente, sob o comando do Escritório de Investigação e Análise (BEA). Em paralelo, os peritos tentarão recuperar os corpos, uma questão atrelada à investigação jurídica, comandada pela Justiça da França.

O trabalho de trazer à superfície os destroços do Airbus A-330-200 que realizava a rota Rio-Paris em 31 de maio de 2009 será realizada pela tripulação do navio Ile-de-Sein, barco de propriedade das companhias Alcatel-Lucent e Louis Dreyfus Armateurs, com a ajuda de um robô-submarino ROV (Remotely Operated Vehicle), este pertencente a uma companhia americana, a Phoenix International. A operação terá início com a partida do navio da ilha de Cabo Verde em 21 de abril. Sua chegada ao local do acidente está prevista para 26 de abril.

Além das caixas-pretas, os experts do BEA vão se concentrar na busca dos calculadores e dos gravadores de manutenção, entre outras peças que podem explicar o acidente. A mesma embarcação foi usada em 2004, recuperando no mar as caixas-pretas do voo Flash Airlines FSH 604, em Charm el-Cheikh, no Egito. "O Ile-de-Sein é ideal para este tipo de missão de busca e recuperação de destroços", afirmou o grupo, em nota oficial. "Alcatel-Lucent e Louis Dreyfus Armateurs desenvolveram uma larga experiência na recuperação de destroços."

Estima-se que o tempo de trabalho do Ile-de-Sein no Atlântico possa se estender por dois meses, em uma operação com custo total próximo de € 5 milhões, desta vez financiado pelo governo francês, sem participação da Air France e da Airbus.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Mistura de queimadas com frente fria explicam dia cinza em MS
TEMPO

Queimadas com frente fria explicam dia cinza em MS

Raio-x flagra mulher com 50 cápsulas de cocaína no estômago
SERVIÇO DE MULA

Mulher é presa com cápsulas de cocaína no estômago

TJ mantém condenação de homem por violência doméstica após reconciliação
TRÊS MESES DE PRISÃO

TJ mantém condenação de homem por violência doméstica após reconciliação

Vereadores afastados tomam posse em Dourados
RETORNO

Vereadores afastados tomam posse em Dourados

Mais Lidas