Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

Crise na Líbia

França diz que pode atacar Líbia em “questão de horas”

17 MAR 2011Por r722h:41

O ministro das Relações Exteriores da França, Alain Juppé, disse que um eventual ataque à Líbia é “uma questão de dias, quem sabe questão de horas”. Foi com esse discurso que o ministro, que foi especialmente a Nova York, justificou a criação de uma zona de exclusão aérea.

- A cada dia, a cada hora que passa aumenta o peso da responsabilidade sobre nossos ombros. Antes que não seja muito tarde fazer prevalecer na Líbia a lei sobre a força, a democracia sobre a ditadura e a liberdade sobre a opressão.

Juppé disse ainda que a França “está pronta” para essa “operação conjunta” sob o comando da ONU, sustentando que a França pode executar uma ação militar nas próximas horas.

O ministro francês salientou que não se “trata de ocupar” o país, mas conter o regime de Muammar Gaddafi. A Itália já colocou uma base militar à disposição das forças ocidentais.

A França foi o único país a reconhecer o governo de transição formado pela oposição líbia em Benghazi.

Aliados podem atacar para proteger civis

A resolução estabelece que os países membros da ONU adotem “todas as medidas necessárias” para evitar um massacre por parte do regime de Muammar Gaddafi, o que inclui ataques aéreos para “proteger civis e áreas povoadas, incluindo Benghazi”.

Benghazi, situada no leste do país, foi a primeira cidade a ser tomada pelos rebeldes anti-Gaddafi. Após o avanço da oposição em direção a Trípoli, forças leais ao regime contra-atacaram, ganharam terreno e estão prestes a retomar Benghazi.

Apesar de autorizar os bombardeios, o documento do Conselho de Segurança não autoriza a presença de tropas terrestres no país.

A resolução, defendida pela França, Reino Unido e Líbano, proíbe qualquer voo no espaço aéreo líbio e autoriza a utilização de “todas as medidas necessárias para garantir a zona de exclusão aérea”. A Liga Árabe apoiou a iniciativa.

Dos 15 membros do Conselho de Segurança, 10 votaram a favor e cinco se abstiveram (nenhum votou contra), após três dias de negociações. O Brasil se absteve.

Leia Também