Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Bastidores

Força cênica

26 AGO 10 - 20h:36
Márcio Maio, TV Press

A ideia de confrontar a tecnologia urbana com o tradicional estilo de vida rural é uma das razões da empolgação atual de Tânia Alves. A atriz, que se prepara para encarnar a batalhadora Pérola de “Araguaia”, próxima novela das 18 horas da Globo, já sabe que essa vai ser a principal função de seu núcleo na história de Walther Negrão. Na trama, Pérola é casada com Cirso, de Gésio Amadeo, e mãe das três “joias” do Araguaia: as jovens Esmeralda, Safira e Ametista, de Raquel Villar, Cinara Leal e Nanda Lisboa, respectivamente. E, com elas, vai retratar as mudanças de uma casa que passa a ser influenciada diretamente pelos avanços tecnológicos. “Como ela e as filhas trabalham na agência de turismo da história, fica explícito esse encontro entre as questões mais regionais e a modernidade. Tanto que a nossa primeira cena é com o computador chegando na casa delas”, adianta Tânia.
Acostumada a aparições esporádicas na televisão, Tânia reconhece que não faz muitos trabalhos no veículo. “Mas quando faço, é coisa boa”, garante, soltando uma cativante gargalhada. Convidada pelo diretor Marcos Schechtman, com quem já trabalhou em “Amazônia – De Galvez a Chico Mendes” e “O clone”, a atriz não economiza palavras ao descrever seu processo de composição para interpretar a cozinheira da agência de turismo. “Fizemos laboratório de dança e de corpo para sentir a química entre as pessoas, principalmente os pares. O Schechtman disse que não quer sotaque, mas sei que vou ter de controlar o ‘chiado’ carioca”, avalia ela, que se diverte com o fato de quase todos os seus fãs acharem que nasceu no Nordeste. “Meu pai nasceu em Recife, mas eu sou do Rio de Janeiro, criada em Copacabana”, jura.
    A única queixa de Tânia é por não ter sido escalada para participar das gravações em Goiás, junto com a equipe que viajou para a região do Rio Araguaia. Mas espera poder, durante a novela, passar pelo menos um fim de semana por lá. Mesmo que não seja para trabalhar. “Já fui inúmeras vezes a Goiás, mas nunca estive naquela área do Araguaia. E parece ter tudo a ver comigo, porque tem esportes radicais, que eu adoro”, valoriza.
Se depender da agenda de Tânia, não será fácil conseguir essa folga. Além de gravar a novela, a atriz continua à frente do SPA Maria Bonita, em Friburgo, e da filial em Ipanema, na Zona Sul carioca. Para preencher ainda mais seu tempo, Tânia grava em breve o CD e DVD ao vivo “A era de ouro do rádio”, projeto que já vem sendo apresentado em todo o país com seus shows. “Meu trabalho de cantora funciona como algo à parte da carreira de atriz. Eventualmente, junto as duas atividades, mas gosto de tratar como ocupações distintas”, esclarece ela, que não deve soltar a voz na novela.
A ideia de interpretar de novo um tipo urbano permeia os projetos futuros de Tânia. Mesmo sabendo que é difícil ser escalada para interpretar papéis que fujam do estereótipo nordestino ou rural. “O Walter Avancini me chamou para fazer ‘Morte e vida Severina’ e ali começou essa onda. Em seguida, veio ‘Lampião e Maria Bonita’, que abriu espaço para o convite do filme ‘Parahyba, Mulher-Macho’”, analisa. Curiosamente, hoje Tânia consegue relembrar uma fase de sua vida em que apareceu bem urbana na tevê: a atriz deu vida à espevitada Clotilde na primeira versão de “Ti-ti-ti”, papel que ficou com Juliana Alves no “remake” de Maria Adelaide Amaral. “Nunca recusei papéis por causa de sotaque. Claro que acho bacana romper rótulos e mostrar outras coisas, mas também sei que diretores e autores apostam no que dá certo porque a tevê é muito ágil”, ameniza.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Com demanda de volta, governo articula reativação de ferrovia
TRANSPORTE

Com demanda de volta, governo articula reativação de ferrovia

Brasil “fecha” fronteira após fuga em massa
PRESOS DO PCC

Brasil “fecha” fronteira após fuga em massa

Estado tem 19 usinas de biocombustível
AGRONEGÓCIOS

Com 19 usinas, produção de biocombustível avança

Polícia do Paraguai prende 30 agentes suspeitos de facilitar fuga em massa
FUGA DE PRESÍDIO

Polícia do Paraguai prende 30 agentes suspeitos de facilitar fuga em massa

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião