Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CHAMAM A ATENÇÃO

Fora de época: Ipês florescem em pleno verão em Campo Grande

Fora de época: Ipês florescem em pleno verão em Campo Grande
25/02/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


   Florescimento dos ipês, 5 meses antes do normal, deixa a avenida mais bonita (Foto: Gerson Oliveira)

Plantados quase que em sequência, a menos de 50 metros um do outro, quatro ipês amarelos chamam a atenção de quem passa pela Avenida Solon Padilha, próximo ao Bairro Santa Mônica e do Distrito Industrial de Campo Grande (Indubrasil) por terem florido fora de época, segundo reportagem na edição de hoje (25) do jornal Correio do Estado.. Embora inusitado, o fenômeno não é tão incomum como se imagina e está relacionado às chuvas, que foram bastante escassas para o período neste início de 2014, de acordo com o pesquisador e professor doutor do curso de Biologia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Arnildo Pott. 

“Tivemos um janeiro seco e a planta responde a isso. Ela está programada para florir depois do período seco. Quando é um ano bem ‘comportado’, com estação de chuvas e depois um período de seca prolongada, ele (o ipê) floresce na primeira chuva de inverno e fica tudo sincronizado. Mas, quando esse quadro se repete ao longo do ano, o ciclo fica um pouco confuso”, explicou. 

Conforme a reportagem de Daniella Arruda, ele esclarece ainda que o inverno é pouco definidor da floração dos ipês em termos de temperatura – essas plantas respondem mais à chuva do que à temperatura. “O ipê branco, por exemplo, floresce no máximo dois dias por ano e fim. Mas, no ano passado, no Parque das Nações Indígenas, tivemos de três a quatro floradas (dessa árvore). As pessoas atribuem as floradas fora de época a grandes mudanças climáticas, mas na verdade são apenas algumas variações”, explicou.  

Felpuda


Ao que tudo indica, partido teria criado “racha” apenas visando jogar para a plateia, e, assim, quem estava com a corda toda anunciou que se prepara para o desembarque. Nos bastidores o que se ouve é que o tal fundo partidário seria o motivo da desavença e que quem nunca comeu mel quando come se lambuza. Só que não. A estratégia é continuar “dono” da atual legenda e “tomar a frente” de partido que está em fase embrionária. Tudo inspirado na “velha política”.