INCÊNDIO

Fogo perto da Base Aérea causa transtornos

Fogo perto da Base Aérea causa transtornos
07/09/2010 21:07 -


MICHELLE ROSSI

Quem passou pelas imediações da Base Aérea e Aeroporto Internacional de Campo Grande na manhã de ontem pode ter se assustado com a fumaça que de longe chegava a encobrir as aeronaves que faziam pousos e decolagens na pista compartilhada entre aviação civil e militar. O motivo foi um incêndio que começou no limite entre a Base Aérea e o Conjunto União por volta das 5h, mas só foi controlado cerca de 10h. Aproximadamente 3 mil metros de área de mata foram atingidas.
Há indícios de que moradores da região tenham colocado fogo em lixo no local e perderam o controle da situação. Quarenta militares tiveram de atuar no controle ao incêndio. Nenhum voo foi cancelado por conta da fumaça que se espalhou pelo local durante toda a manhã.   
Esta não é a primeira vez que incêndios nas proximidades da Base e do Aeroporto Internacional provocam uma cortina de fumaça numa área onde a falta de visibilidade pode gerar acidentes de grandes proporções.
Outros dois incêndios de grandes proporções foram registrados nas últimas semanas na região e causaram transtornos para os moradores. Um deles, começou no limite da Base com o Bairro Taveirópolis. O outro, há cerca de três semanas, também atingiu quase 3 quilômetros de vegetação no perímetro com o Bairro Oliveira.  
Segundo a assessoria de imprensa da Base Aérea, a vegetação está seca por conta da estiagem – não chove em Campo Grande há quase dois meses — o que favorece a rápida propagação das chamas.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".