Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

COPA LIBERTADORES

Fluminense empata com o Argentinos Jrs.

10 FEV 2011Por etadão00h:40

Fluminense e Argentinos Juniors fizeram um jogo de dimensões épicas, com lances controversos e muitos gols na abertura da fase de grupos da Copa Libertadores da América, nesta quarta-feira, no Engenhão. Tanto pior para os donos da casa, que amargaram um empate por 2 a 2. A partida foi válida pelo Grupo 3, que conta ainda com América (México) e Nacional (Uruguai).

Apesar de ficar duas vezes atrás no placar, o sentimento de derrota foi ainda maior, pois o time sofreu dois gols de cabeça do pequenino Niell, de escassos 1,62 m de altura. Rafael Moura, por sua vez, também fez dois, suprindo a contento a ausência do suspenso Fred. "Estou feliz pelos quatro gols em dois jogos, mas trocaria todos por duas vitórias", disse o atacante, citando a derrota para o Botafogo pelo Campeonato Carioca.

O jogo começou nervoso e foi marcado por dois lances polêmicos, ambos desfavoráveis aos argentinos. Muita afobação de ambos os lados, precipitação em fazer o passe levava a sucessivos erros. O primeiro lance a favor dos visitantes e que suscitou dúvidas ocorreu a um minuto. Mariano entrou duro em Oberman dentro da área, em lance bem duvidoso. O árbitro Carlos Torres, do Paraguai, nada marcou.

Aos 35 minutos, Gum dividiu com Niell e a bola foi mansamente rolando para dentro do gol. André Luís chegou espanando em cima da linha. Um lance extremamente complicado. A bola pareceu ter sido tirada de dentro da meta, mas até os replays foram inconclusivos.

O gol da vantagem surgiu de fonte improvável. O baixinho Niell subiu livre para testar. A bola desviou em Diguinho e matou o goleiro Diego Cavalieri. "Um baixinho daquele tamanho não pode cabecear no primeiro pau e fazer um gol", reclamou o zagueiro André Luís.

O sentido de urgência bateu forte no time tricolor na volta do intervalo. A pressão deu resultado e o empate não tardou. Aos 12 minutos, Carlinhos cruzou e Rafael Moura mergulhou para cabecear. O goleiro Navarro falhou.

O gol, porém, não abalou os argentinos, que continuaram com a mesma estratégia: paciência, autocontrole e contra-ataques. Em um deles, veio o segundo e novamente com Niell, e novamente de cabeça. Oberman acertou belo cruzamento, que encobriu Cavalieri e achou o pequeno atacante livre no segundo poste, aos 25 minutos. A torcida injustamente pediu o retorno de Ricardo Berna ao gol tricolor.

Em desvantagem, o técnico Muricy Ramalho sacou o zagueiro André Luis e lançou o meia Marquinho, indo para cima. A mexida rendeu bônus, com o jogador participando do novo empate. Mais uma vez, Rafael Moura fez de cabeça. Com um pouco de cera e muita esperteza e maturidade, o Argentinos Juniors soube segurar a pressão brasileira e saiu do Engenhão com um importante pontinho fora de casa. Ao Fluminense, a sensação de fracasso na primeira batalha.

FLUMINENSE - 2Diego Cavalieri; Mariano, Gum, André Luis (Marquinho) e Carlinhos; Edinho, Diguinho, Souza (Valencia), Conca; Rafael Moura e Willians (Rodriguinho). Técnico: Muricy Ramalho.

ARGENTINOS JUNIORS-ARG - 2 - Navarro; Juan Sabia, Miguel Torren, Santiago Gentiletti e Gonzalo rósperi; Juan Mercier, Germán Basualdo (Bogado), Sergio Escudero (Berardo) e Oberman (Hernandéz); Salcedo e Franco Niell. Técnico: Pedro Troglio.

Gols - Niell, aos 43 minutos do primeiro tempo; Rafael Moura, aos 12 e aos 28, e Niell, aos 25 minutos do segundo tempo. Cartões amarelos - André Luis, Edinho e Rafael Moura (Fluminense); Torren, Navarro, Gentiletti e Oberman (Argentinos Juniors-ARG). Árbitro - Carlos Torres (Fifa-Paraguai). Renda - R$ 681.050,00. Público - 14.031 pagantes. Local - Estádio Olímpico João Havelange (Engenhão), no Rio de Janeiro (RJ).

Leia Também