Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 24 de fevereiro de 2019 - 02h14min

“Fim” da tarifa social pode dobrar conta de energia

29 JUL 10 - 23h:17
Beatricce Bruno

O “fim” da tarifa social para consumidores que não se enquadrarem no perfil baixa renda pode dobrar o valor das contas de energia. Em alguns casos, consumidores que hoje desfrutam do desconto de até 65% apenas por causa do baixo consumo de energia – em até 80 kw/h –, além de perder o benefício, vão ter de desembolsar a tarifa cheia do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS).
“A diferença decorre não apenas da perda do benefício, já que esse consumidor teria que pagar a tarifa cheia, mas também recolher os tributos PIS, COFINS e ICMS em cima desse novo valor”, explicou Jenner Ferreira, assistente técnico do Conselho de Consumidores da Enersul (Concen).
Na prática, uma pessoa que consome em média 75 kw/h e paga cerca de R$ 19 porque tem isenção dos tributos vai ver a sua realidade mudar completamente a partir das novas regras. Tudo porque a Aneel passa a considerar a renda do consumidor e não mais o consumo daquela unidade. Portanto, quem tem renda superior a meio salário mínimo per capita vai passar a pagar cerca de R$ 40, neste caso.
Essa mesma mudança nas contas dos consumidores de energia que não se adequarem no novo perfil vai acrescentar meio milhão de reais nos cofres do Governo do Estado.
A partir dos números apresentados pela concessionária (cerca de 173 mil unidades consumidoras são beneficiadas com a tarifa social, dos quais apenas 36 mil mantêm o benefício), o assistente técnico do conselho estima em R$ 6 milhões o aumento na arrecadação de ICMS sobre tarifas de energia.

Entenda a mudança
Na terça-feira, a Aneel aprovou regulamentação da lei, sancionada em janeiro deste ano, que mudou critérios para concessão de descontos na tarifa de energia para os consumidores classificados como baixa renda. O objetivo foi limitar a concessão para pessoas que realmente necessitam deste benefício. A partir de agora, quem não comprovar baixo rendimento e não for cadastrado no Número de Inscrição Social (NIS) ficará de fora da tarifa social.
O argumento do governo – para promover tais mudanças – era de que, em muitos casos, pessoas que vivem sozinhas ou residências de veraneio usufruíam deste benefício sem ter o perfil.
Nova tabela
Na norma também foi publicada a nova tabela de concessão do desconto. Para pessoas com até 30 kw/h o subsídio será de 65%; para 30 a 100 kw/h, 40%; de 100 a 220, 10%. Acima deste consumo, não há desconto.

Calendário
Para os consumidores que hoje contam com o benefício, o calendário para adequação às novas regras é: consumo entre 68 quilowatts/hora e 80 kw/h mensais, o prazo para apresentar a inscrição termina em março de 2011. Para as residências que consomem inicialmente entre 55 kw/h e 68kw/h, o prazo terminará em junho do mesmo ano. Em setembro de 2011 terminará o prazo para quem consome entre 30 kw/h e 55kw/h. Já os consumidores que gastam menos do que 30 kw/h por mês terão que comprovar os gastos até novembro de 2011.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Promotoria abre inquérito após shopping de SP pedir autorização para apreender meninos de rua

BRASIL

Chanceler diz que ação na Venezuela não tem caráter intervencionista

Mãos que falam:
LUIS PEDRO SCALISE

Mãos que falam: "Em tempos de Dieta"

VENEZUELA

Maduro discursa para apoiadores e critica ajuda humanitária

Mais Lidas