Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 17 de outubro de 2018

Ficha Limpa deve ser votado na próxima semana

29 ABR 2010Por 06h:40
brasília

O projeto que prevê a inelegibilidade de políticos com ficha suja já conta com assinaturas suficientes para ser votado direto no plenário da Câmara. Ontem, os deputados adiaram a votação do texto na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), mas, logo em seguida, líderes de partidos assinaram requerimento de urgência – permitindo ao presidente Michel Temer (PMDB-SP) pautar a proposta quando quiser, no caso de o regime de urgência ser aprovado em plenário.
A expectativa é que a votação aconteça na terça-feira da semana que vem. O requerimento ganhou assinaturas suficientes após PT e PMDB assiná-lo (agora, o documento conta com mais de 400 assinaturas, sendo que precisa, no mínimo, de 257).
Mais cedo, na CCJ, Regis de Oliveira (PSC-SP), Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Ernandes Amorim (PTB-RO), Vicente Arruda e Maurício Quintella Lessa (PDT-AL) pediram vistas do texto, impedindo a sua votação na comissão. Temer havia prometido pautar a proposta na semana que vem, caso isso acontecesse.
O pedido de vistas foi feito após o deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP) ler seu relatório, que flexibilizou ainda mais o texto original. Ele propôs a inelegibilidade para candidatos condenados por decisão colegiada, mas com a possibilidade de efeito suspensivo com recurso avaliado também por um órgão colegiado.
Para entrar em vigor ainda nestas eleições, a proposta deve ser votada pelo plenário da Câmara ainda em maio – o que só será possível caso os deputados aprovem a votação urgente. Em seguida, o texto segue para o Senado e para a sanção presidencial.
A expectativa do MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral), que reúne diversas entidades civis em defesa da transparência nas eleições, é que a proposta seja votada em plenário na próxima quarta (5). A briga agora, segundo integrantes do MCCE, é para que não sejam apresentadas mais emendas ao texto – o que pode atrasar a aprovação da lei.
A campanha Ficha Limpa foi lançada em 2008, causando polêmica entre políticos após a AMB (Associação Brasileira de Magistrados) divulgar uma lista com os candidatos com ficha suja. Ao todo, foram coletadas mais de 1,6 milhão de assinaturas em defesa do projeto.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também