Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AMISTOSO

Felipão chama Fernandinho e Rafinha para jogo contra a África

Felipão chama Fernandinho e Rafinha para jogo contra a África
11/02/2014 12:30 - G1


Seguindo sua promessa, o técnico Luiz Felipe Scolari apresentou novidades na lista dos 16 jogadores que atuam em times do exterior convocados para o próximo amistoso da Seleção, contra a África do Sul, em Joanesburgo, no dia 5 de março. O lateral-direito Rafinha, do Bayern de Munique, e o volante Fernandinho, do Manchester City, foram chamados pela primeira vez pelo treinador.

De acordo com Felipão, a lista deve ser completada com mais três jogadores que atuam em times nacionais.

- Serão dois atacantes. Levarei 19 ou 20. Seria por alguma razão que eu tenha que chamar um jogador diferente. São dois atacantes e um goleiro. Pode ser que tenha uma novidade - revelou o treinador, que aproveitou para brincar com os jornalistas - Vocês estão pesquisando nomes. Quatro em cima, quatro no meio. Busquem alternativas e uma dessas podem fechar com a minha. Estão errando muito.

A divulgação dos nomes será feita mais próximo da data de apresentação do grupo, marcada para 3 de março. No dia seguinte, Felipão comandará a única atividade antes da partida - um treino de reconhecimento no gramado do estádio Soccer City, palco da final da Copa de 2010.

A partida contra os sul-africanos será a última da Seleção antes do anúncio da lista final para a Copa do Mundo, no dia 7 de maio. Ainda antes da estreia no Mundial, o Brasil fará dois amistosos de preparação: o primeiro, no dia 3 de junho, provavelmente contra a Sérvia, e o segundo, no dia 6 de junho, contra um adversário ainda não definido.

Felpuda


Vêm aumentando que só os disparos de segmentos diversos contra cabecinha coroada que, até então, acreditava voar em céu de brigadeiro. O novo coronavírus chegou, ganhou espaço, continua avançando e atualmente tem sido o melhor cabo eleitoral dos adversários. A continuar assim, sem ações mais eficazes, o estrago político poderá ser grande. Observadores mais atentos têm dito que o momento não é de viver o conto da “Bela Adormecida”. Só!