Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 13 de novembro de 2018

PORTAS ESCANCARADAS

Fechamento das fronteiras é proposta dos deputados para conter violência

5 SET 2012Por JULIENE KATAYAMA00h:02

Sob o impacto da violência que assombrou Campo Grande na semana passada quando Breno Luigi Silvestrini de Araújo, 18, e Leonardo Batista Fernandes, 19, foram mortos brutalmente por uma quadrilha que roubou-lhes a caminhonete para trocar por três quilos de cocaína na Bolívia, os deputados estaduais discutiram na sessão de ontem, da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, o fechamento das fronteiras do Estado com Paraguai e Bolívia.

A medida é vista como estratégia para conter a ação de quadrilhas, que estimuladas pelas encomendas de veículos roubados, seja para revenda a receptadores paraguaios ou para troca com fornecedores bolivianos de cocaína, estão agindo no Estado, particularmente em Campo Grande.

Em menos de um mês, a polícia conseguiu evitar a passagem de três veículos roubados, cujos motoristas estavam em poder de bandidos. Em dois episódios, assaltantes foram presos e outros mortos pela polícia. No terceiro caso, dos estudantes, o veículo, uma Pajero não atravessou a fronteira, mas as vítimas foram assassinadas.

Ocorrência semelhante aconteceu em julho, quando assaltantes mataram o empresário Alberto Raghiante Júnior e Luzia Barbosa Damasceno Costa , para o roubo de um Hiunday Azera.

Os páis dos estudantes também participaramn da sessão na Assembleia, mas, ao contrário dos deputados, acreditam que a solução da violência está na família. Eles pediram aos parlamentares, providências ''antes que outros jovem sejam vítimas".

Leia mais no jornal Correio do Estado

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também