segunda, 23 de julho de 2018

INVESTIMENTOS EM MS

FCO liberou mais de R$ 1 bilhão em 2010

13 JAN 2011Por DA REDAÇÃO15h:53

As contratações do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) atingiram R$ 1,048 bilhão em 2010, superando a meta prevista para Mato Grosso do Sul que era de R$ 956 milhões. Esse foi o maior volume contratado no Estado desde a criação e regulamentação do Fundo ocorrida em 1989.

A flexibilização das normas do FCO nos últimos dois anos, o quadro macroeconômico, que motivou investimentos pelos agentes privados, o esforço dos diversos agentes envolvidos no processo de gestão e a aplicação dos recursos em Mato Grosso do Sul contribuíram decisivamente para o alcance dessas metas. O FCO vem cumprindo uma de suas diretrizes básicas de destinar 51% dos recursos para micro e pequenos empreendedores, compreendendo aí os pequenos produtores rurais.

No setor agropecuário, as atividades voltadas a produção de grãos e de carne, tanto bovina como de pequenos animais, vêm sendo beneficiadas pelo FCO, que também destinou significativos recursos para o setor de leite e para a produção florestal no Estado, atividade inserida no plano estadual de floresta, priorizando as áreas compreendidas basicamente no eixo Campo Grande-Três Lagoas-Bataguassu. As normas operacionais do Fundo foram alteradas para 2011 visando facilitar maior acesso de investidores nesse segmento do FCO.

O setor industrial foi o maior beneficiário dos recursos do FCO em 2010, fruto dos expressivos investimentos que vem sendo realizados no segmento da agroindustria em Mato Grosso do Sul com o apoio do governo do Estado e do governo federal.

Também os setores de comércio, serviços e turismo foram contemplados com recursos do Fundo para a ampliação, modernização de seus empreendimentos, e capital de giro para a aquisição de insumos e formação de estoque, que beneficiaram todo o segmento empresarial. Em todos os municípios do Estado houve contratação de operações do FCO, constituindo prioridade, tanto da Seprotur – Secretaria de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo, quanto do Banco do Brasil, ampliar a oferta de recursos em municípios cuja captação ainda é pouco expressiva.

Segundo o secretário executivo do Conselho Estadual, Jerônimo Alves Chaves, já está agendada uma reunião para o próximo dia 25, quando serão apreciadas cartas consultas em processo de tramitação nas Instituições financeiras envolvidas ( Banco do Brasil e Sicredi).

Leia Também