Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

NOVELA

Fazendeiros não aceitam avaliação de benfeitorias e solução para conflito se arrasta

Fazendeiros não aceitam avaliação de benfeitorias e solução para conflito se arrasta
07/01/2014 18:30 - Gabriel Maymone


A reunião realizada na tarde desta terça-feira (7), em Brasília, para buscar encaminhamento de uma possível solução para o conflito por terras entre indígenas e produtores rurais não foi conclusiva. Os fazendeiros não aceitaram as avaliações das benfeitorias (construções feitas na terra), realizada pela Fundação Nacional do Índio (Funai).

Diante do impasse, a governadora em exercício, Simone Tebet, propôs que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) participe também da avaliação das benfeitorias. “ Nós propusemos este caminho como alternativa para buscar um consenso e o Ministério da Justiça deverá manifestar a respeito nos próximos dias”, declarou a governadora.

Ficou decidido que no dia 17 de janeiro o relatório das avaliações será encaminhado aos produtores para que eles busquem a revisão dos valores que consideraram errados junto ao Incra e à Funai. Um resultado final deste entendimento será encaminhado ao Ministério da justiça até o dia 27 de janeiro, quando será marcada uma nova reunião.

A reunião de Brasília não tratou da destinação de recursos e do pagamento de indenizações, ficando o debate restrito as avaliações da Fazenda Buriti. Essa condição frustrou principalmente as lideranças indígenas que manifestaram mais uma vez contra a demora de uma solução final para o impasse.

“Mato Grosso do Sul já alertou para a elevação da tensão no campo em função da demora de uma resolução para a questão fundiária e continua pronto para colaborar no encaminhamento de uma solução para o impasse mediando o acordo entre as partes”, declarou a governadora Simone Tebet, que na reunião estava acompanhada da secretária de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo, Tereza Cristina Corrêa da Costa, e de técnicos de planejamento da Procuradoria Geral do Estado (PGE).

Felpuda


É grande a expectativa em torno de qual foi a justificativa de conhecida figura que beneficiou sujeito, e este, aproveitando a, digamos, boa vontade demonstrada, simplesmente “sumiu do mapa”. Órgão nacional pediu explicações para o “benfeitor”, e o prazo já venceu. Como as decisões por lá não ficam escondidas do distinto público, logo, logo, a curiosidade deverá ser contemplada. É esperar para conferir!