Domingo, 18 de Fevereiro de 2018

indústria

Faturamento sobe 10% e bate recorde histórico

10 FEV 2011Por g111h:00

Após sentir os efeitos da crise financeira internacional em 2009, o faturamento da indústria se recuperou no ano passado e avançou cerca de 10%, a maior variação da série histórica que começa em 2005, segundo informações divulgadas nesta quinta-feira (10) pela Confederação Nacional da Indústria. Na comparação com 2008 - o recorde anterior - o faturamento cresceu 5,1%, informou a entidade.

Queda em dezembro
Apesar do forte crescimento do faturamento no ano passado, os dados da CNI mostram recuo no último mês de 2010. Segundo a entidade, o faturamento caiu 0,6% de novembro para dezembro, assim como também recuaram as horas trabalhadas na produção (indicador de atividade industrial) e o emprego industrial, que diminuiu 0,5%.

"O mercado de trabalho corrobora a menor atividade industrial de dezembro. O indicador dessazonalizado de emprego recuou pela primeira vez em 18 meses, na comparação com o mês anterior", informou a entidade. No acumulado do ano passado, contra 2009, porém, o emprego industrial cresceu 5,4% - maior crescimento da série histórica, que começa em 2005.

Horas trabalhadas na produção
No caso das horas trabalhadas na produção (indicador relacionado com a produção do setor), a CNI informou que houve uma queda de 2,2% em dezembro do ano passado, contra o mês anterior. No acumulado de 2010, porém, o crescimento registrado foi de 7,1%, também a maior elevação desde 2005, quando tem início a série histórica da entidade.

Uso do parque industrial
O nível de uso do parque da indústria (conhecida como utilização da capacidade instalada) somou 82,8% em dezembro do ano passado, informou a CNI, com aumento de 0,2 ponto percentual frente a novembro (82,6%). Trata-se da terceira alta consecutiva do indicador. No final de 2009, o nível de uso do parque industrial estava em 81,5%.

"A despeito desta sequência de altas [nos últimos três meses], a UCI [utilização da capacidade instalada da indústria] ainda encontra-se 0,5 ponto percentual inferior ao período pré-crise (setembro de 2008)", informou a Confederação Nacional da Indústria.
 

Leia Também