Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 15 de dezembro de 2018

Farinhas: nutrição em pó

1 FEV 2010Por Michelle Rossi06h:51
Elas são ingredientes para bolos, massas, tortas, enfim, são a base da culinária brasileira. Tradicionalmente extraída de cereais, tubérculos, den tre outros produtos, a farinha está no dia-a-dia das famílias, e o alimento ganha cada vez mais reforço por meio de pesquisas, que extraem de frutos inusitados farinhas com sabores diferentes e com a vantagem de serem mais nutritivas. Frutos da região Centro-Oeste como o bacuri, a bocaiúva e jatobá são alvo de pesquisas no Laboratório de Tecnologia em Alimentos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). A meta é transformar os frutos em farinhas e, também, comprovar suas características nutritivas. “É intenção nossa fazer farinha com os frutos, pois é uma das melhores formas de se conservar o ali- mento”, aponta a quí- mica e pesquisado- ra do laborató- rio da UFMS, Dar- li Castro Costa. Os três frutos estão na pesquisa, pois são abundantes na região Centro-Oeste. “Podemos encontrá- los até na área urbana de Campo Grande”, aponta a pesquisadora. Eles são bastante nutritivos: a bocaiuva é rica em carboidratos, vitamina A e fibras; no jatobá, encontramos bons níveis de carboidratos e sais minerais; já o bacuri tem baixo teor de gordura, é muito rico em fibras e sais minerais. Utilizar uma destas farinhas na alimentação diária melhora os níveis destes nutrientes no organismo e, além de usá-la como ingrediente em receitas, pode ser adicionada ao leite para compor uma vitamina, por exemplo. Comunidades no município de Corumbá não perderam o costume de usar estes frutos na alimentação diária. O bacuri é cozido como se fosse uma mandioca, tem sua casca retirada e é colocado no sol para desidratar. Depois disso, é ralado para se tornar uma farinha e acrescentado às refeições. “A comunidade sabe das propriedades dos frutos regionais e percebe que, ao adicioná-los nos alimentos, estará ingerindo fibras, sais minerais, enfim, percebe que eles estão enriquecendo suas refeições”, aponta a pesquisadora. Ainda não há produção de farinhas destes frutos em larga escala no Estado, apenas iniciativas localizadas (leia box), mas para fazer a farinha dos frutos, o processo é desidratá-los e depois transformá-los em pó. A conveniência é comprar a farinha de trigo, facilmente encontrada nos supermercados. Por outro lado, o produto extraído dos frutos não deve ser substituído por completo na maioria das receitas tradicionais. Segundo a pesquisadora, a consistência mais leitosa destas farinhas exige que o trigo também seja adicionado. “Dá para colocar uma medida de trigo e outra de farinha destes frutos”, aponta. No entanto, várias receitas já estão sendo elaboradas para utilizar somente o produto extraído destes alimentos.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também