Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Famílias que ocupam a margem da BR-262 devem ser despejadas

3 MAI 10 - 23h:54
Na entrada do Núcleo Industrial, 140 famílias estão na iminência de serem  despejadas por decisão da Justiça. Elas ocupam área à margem da BR-262, o Novo Indubrasil. A área é remanescente de uma fazenda da família Dibo que há quatro meses foi vendida ao empresário Ronne Viana. Por decisão da Justiça, tão logo ele deposite em juízo  R$ 180 mil para ressarcir as famílias das benfeitorias, elas terão de deixar a área. Algumas estão lá há mais de 20 anos, mas nem assim conseguiram usucapião para se tornarem proprietárias. Viana calcula em R$ 3 milhões o valor de mercado da área onde pretende construir terminal de cargas. Ele garante que pretendia regularizar a permanência das famílias cobrando R$ 5 mil (valor parcelado). “Como  não concordaram, resolvi executar a ação de reintegração de posse”, justifica.

As famílias, contudo, contam versão diferente. Garantem que não poderiam aceitar a divisão da área em lotes de 20m x 50m, porque em muitas situações seria preciso demolir casas que foram construídas na divisa entre um lote e outro. Não podemos sair daqui de mãos abanando, sem uma indenização justa pelas benfeitorias. Pelo que eu sei tem gente que vai receber R$ 500,00 por casa de material”, argumenta Simone Afonso, que diz estar no Novo Indubrasil há 22 anos.

Num mesmo terreno, há mais de uma casa. “À medida que o tempo foi passando os filhos das primeiras famílias foram crescendo, se casaram e construíram  a moradia nos fundos do terreno”, explica Eliseu da Silva, que se mudou há sete anos para o núcleo depois de casar com a filha de um dos moradores pioneiros.

Há também quem comprou “direito” de moradores que entraram primeiro na área. É o caso de Márcia Regina de Oliveira, há 17 anos no bairro. Ela mora nos terrenos dos fundos, que são as faixas da área próximas à rodovia. Advogados têm se reunido com os moradores se dispondo a defendê-los na Justiça, mediante o pagamento de R$ 500,00 de honorários. (FP)  
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Ministério da Agricultura diz que preço da carne caiu 9% desde início do mês

Dólar cai para R$ 4,146 e fecha no menor nível em quase um mês
ECONOMIA

Dólar cai para R$ 4,146 e fecha no menor nível em quase um mês

Dois hospitais de MS realizarão diagnóstico gratuito de câncer de pele
DEZEMBRO LARANJA

Dois hospitais de MS realizarão diagnóstico gratuito de câncer de pele

PDT suspende vereadores que não assinaram CPI do Ônibus
90 DIAS

PDT suspende vereadores que não assinaram CPI do Ônibus

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião