Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

destruição

Famílias confirmam passagem de tornado

28 SET 2010Por 00h:00

Silvia Tada e Daniella Arruda

Trabalhadores rurais do Assentamento Estrela Campo Grande confirmaram que o fenômeno que atingiu a região da saída para Três Lagoas e derrubou nove torres de transmissão de energia da Eletrosul foi um tornado. Barracos que estavam na linha do redemoinho ficaram destruídos, enquanto outros vizinhos ficaram com as moradias quase intactas, apenas com telhas afetadas. “O vento foi levando tudo, rodando. Eu e meu filho corremos para outro cômodo e nos agarramos à estrutura, que chegou a tombar”, relatou Eder Ferreira dos Santos, de 42 anos, que teve a casa de madeira destruída. Apenas a porta e as vigas de sustentação permaneceram em pé.
A vizinha Aparecida Eising Medeiros, de 32 anos, também ficou sem casa, sem roupas e a filha ficou ferida após a queda de vigas de madeira. “Na hora da tempestade, ficamos dentro de casa, rezando para que nada de ruim acontecesse conosco. Vi minhas coisas voando, com baldes e mantimentos”. A filha, Joana Carolina, de 12 anos, foi levada por vizinhos para um pronto-socorro.
A poucos metros dali, a casa de Solange Morais da Silva, de 37 anos, ficou sem algumas telhas, mas a lona e as tábuas de madeira permaneceram intactas. “Só ouvimos um barulho muito forte, os ventos e a chuva. Alguns vizinhos perderam tudo, mas aqui somente o mandiocal deitou com a força do vento e um galho de uma árvore maior caiu”.
Os moradores relataram que, até o fim da tarde de ontem, nenhuma autoridade ligada à prefeitura de Campo Grande, Governo do Estado ou Incra esteve no local prestando assistência. “Não temos comida ou lugar para nos abrigar”, disseram.

Ventos
Para a meteorologista do Centro de Monitoramento do Tempo, Clima e Recursos Hídricos (Cemtec), Cátia Braga, há a possibilidade de que a região onde nove torres da Eletrosul e linha de transmissão da Enersul caíram tenha sido cenário de passagem para um tornado. Para ocorrer, explicou, seria preciso que a velocidade dos ventos estivesse entre 118 e 133 quilômetros por hora, índice que, pela escala Beaufort, que mede a velocidade dos ventos, geraria prejuízos e destruição grave e generalizada.
Ainda segundo Cátia Braga, condições como alteração brusca de temperatura, pressão e umidade favorecem o aumento da velocidade dos ventos.
Hoje à tarde, a Eletrosul religa duas linhas de transmissão e restabelece totalmente o abastecimento na quinta-feira. Ontem, 60 pessoas trabalhavam na recuperação das torres afetadas pelos ventos e hoje a equipe receberá reforços de mais 60 técnicos do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina.

Leia Também